Luanda - Afastado recentemente do Gabinete da presidência da UNITA, onde era o director, Hélder Boris Mundombe, estabeleceu, a cerca de duas semanas, contactos com dois filhos de Jonas Savimbi (nomes ocultados por ética), baseados no exterior, para reiterar  fidelidade aos ideias, do líder fundador do “ Galo Negro ” a quem serviu como oficial das operações especiais.

Mundombe, descreveu aos seus interlocutores, que o seu afastamento deveu-se mais a “intrigas palacianas”, contrariando assim, as versões que atribuem lhe sevícias, ou outras que lhe apontam  excessos de consumo de alguns hábitos.

A suposta traição de Boris mereceu vários comentários dentro e fora da UNITA. Uma corrente devidamente identifica, dentro do “ Galo Negro ” invoca que o Presidente do Partido, Isaías Samakuva teria se precipitado ao mencionar no seu discurso, sobre estado da Nação,  de inicio de Março, que um responsável do seu Gabinete renunciaria a UNITA a troco de um emprego que solicitado ao SINFO. De acordo com esta corrente, tal referencia no discurso presidencial foi inoportuna e estaria a arrastar o citado para outra margem.

Outra corrente, constituída por ex bolseiros do partido que convíveu com Boris Mundombe conclui que atribuições de traição  a ele equivale a desconhecimento sobre os  seus ideais. Fazem referencia a momentos mais delicados quando foi perseguido pela segurança angolana. “ Se tivesse que se vender se venderia quando o MPLA lhe procurava... ”, argumentam.

Antigo Tenente da Segurança, Boris viveu vários anos na Zâmbia tendo estudado na “ Kabulonga Bys ”. Mais tarde, Savimbi fez dele, a chave importante da guerrilha cuja  missão era de coordenar a rede, baseada no Burquina Faso, que se dedicava a venda de diamantes da guerrilha, na qual faziam parte Marcelo “ Karrica ” e João Katende.

Foi o oficial da UNITA mais procurado pela Inteligência angolana. Chegou a driblar o General Miala que na altura queria, uma foto, para  pelo menos saber como era o rosto de Boris. O ex patrão da secreta angolana havia se reunido com um influente chefe de Estado africano sem ter dado conta que um dos presentes, apresentado como oficial do staff presidencial, era Boris “ Mundombe ” que muito procurava.

Tema relacionado:

Director do Gabinete de Samakuva aliciado pela Casa Militar
 

Fonte: Club-k.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: