Luanda – A primeira subcomissão de saúde e ambiente da sétima comissão parlamentar da Assembleia Nacional visitou hoje, quarta-feira, o centro de saúde Ana Paula, no município de Viana, em Luanda.

A comitiva composta por sete membros foi dirigida pela presidente da comissão, Irene Neto, que, depois de visitar todos os serviços do centro, considerou terem cumprido um programa de trabalho na área da saúde ao verificarem o que está ser feito naquela instituição.

“Ficamos agradavelmente surpreendidos ao verificarmos que neste centro de cuidados primários de saúde existe uma estruturação boa de todos os serviços que são necessários para atender a população. Conversamos com a direcção clínica e a administrativa e tivemos acesso a alguns dados estatísticos sobre o número de atendimento e de patologias que são tratadas”, considerou a deputada.

A deputada esclareceu que constataram algumas insuficiências e preocupações em termos da capacidade de atendimento, do número do pessoal especializado, sobretudo médicos angolanos.

Por seu turno, a directora clínica do centro, Ana Generosa, agradeceu a presença dos deputados da sétima comissão da Assembleia Nacional, a quem mostraram como funcionam, expuseram as suas preocupações e estes viram de facto que existe muito trabalho.

Neste momento, continuou a directora, a maior preocupação vai para os serviços de transporte, pois necessita-se de uma ambulância fixa e mais médicos para o atendimento dos vários serviços.

Ana Generosa deu a conhecer que são feitos por média 20 a 25 partos/dia na sala de partos do centro, sendo um número considerável para uma sala com duas marquesas, outra para o pré-parto com capacidade para seis camas e sala de pós-parto também com seis, onde ficam duas parturientes na mesma cama.

O centro de saúde Ana Paula possui três médicos de nacionalidade cubana e um angolano.

O município de Viana tem em funcionamento seis centros de saúde, dos quais dois são de referência “Ana Paula e Viana II”, reforçados com 12 postos Médicos.

Fonte: Angop



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: