Luanda   -  O Presidente da Comissão Executiva do BPC, Zinho  Baptista suspendeu recentemente empresas de prestação de serviços supostamente ligada aos gestores da antiga administração de Paixão Antônio Júnior. Tratam-se da empresa de limpeza “Dajvu”, e a de serviços de segurança “Heros & SJ”.

 
Fonte: Club-k.net
 
Casos de “cabritismo” na gestão do regime do MPLA
 
Em meios da instituição há suspeitas de que a actual administração esteja a cortar relações com estas duas empresas privadas para serem substituídas por novas escolhidas ou ligadas aos novos responsáveis bancários. 
 
 
De acordo com o antecedente da realidade angolana, sempre que um gestor é nomeado afasta empresas ligadas ao seu antecessores para colocar as suas próprias, num acto vulgarmente designado por “cabritismo.”
 
Antecedentes de casos de “cabritismo” em Angola  
 
Isabel dos Santos quando assumiu a gestão da Sonangol colocou as suas empresas (a youcall e a  Efacec Power Solutions)  a prestarem  serviços de consultoria na petrolífera estatal.   O Restaurante do edifício da empresa é também gerido pelo seu grupo “Candando”. Em Dezembro de 2017, foi a sua empresa “Candando” que distribuiu os cabazes de natal para os funcionários da empresa. 
 
 
Manuel Vicente ao tempo PCA da Sonangol tinha uma empresa “Angola offshore service”, - dirigida por um testa de ferro, Raul Gomes Cornelio Kanhama  “Kandi”, -  a desenvolver trabalhos de “sourcing” na petrolífera estatal e recrutamento de quadros para a Clínica Girassol, e para a base da Sonil. A Revista e documentação da Sonangol passaram a ser imprimidas na sua empresa “Damer Graficas”.
 
 
A antiga PCA, da   Clínica Girassol afecta a Sonangol,  Maria Cremilda Luís  de Lima, havia ao tempo do seu mandato colocado as suas empresas (farmácia, Higenius) a prestar serviços a clinica à luz de um contrato de 10 anos. Em 2010,   o actual  PCA, Néne Filipe, levou o assunto ao  tribunal para por fim aos contratos de 10 anos das empresas da sua antecessora.
 
 
O membro do Comitê Central do MPLA, Manuel Rabelais, ao tempo DG da Radio Nacional transformou a creche da empresa em colégio privado integrando aos seus interesses privados. Quando se tornou ministro, o mesmo colocou também  a “Westside”, uma empresa na qual partilha participações com Tchizé  dos Santos, a prestar serviços no canal2 da  televisão publica de Angola.  
 
 
O chefe do Serviço de Inteligência e Segurança Militar (SISM) das Forças Armadas Angolanas (FAA), general António José Maria colocou a empresa da filha,  Nyanga Tytapeka a prestar serviços de consultoria naquela instituição militar. A empresa de nome Infonauta – Prestação de Serviços facturou perto de US$4,000,000 (quatro milhões de dólares), no primeiro ano de contrato, em 2011.
 
 
A 22 de Janeiro  de 2015, o Fundo Soberano de Angola procedeu a uma transferência de  US $100 milhões) à empresa Kijinga S.A. pertencente aos interesses de José Filomeno dos Santos como custos de um suposto trabalho de consultoria.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: