Toulouse - Está a circular, a cerca de três semanas, em vários meios em Luanda, uma carta/ documento aparentemente escrita por vários trabalhadores da TPA em coloca em “xeque” as posições das mais recentes “ estrelas cintilantes” do canal público de TV: Ana Lemos e Gonçalves Inhagica.

A carta que em alguns pontos é extremamente dura/ Insultuosa com os dois profissionais está já a provocar um certo mal-estar na redacção principal da TPA, onde agora se instalou um clima de suspeição. Uma cópia teria chegado inclusive ao conhecimento de  conhecidas figuras da secreta angolana.

Segundo apuramos esta carta chegou inclusive a vários órgãos de comunicação social em Luanda, entre jornais e rádios, mas não a terão publicado devido a gravidade das  denúncias e isto poderia consubstanciar uma ingerência em assuntos internos de um outro  órgãos.

Os nossos informadores dizia que pelo menos um jornal ponderava publicar a carta a cerca de duas semanas, mas acabaram por não o fazer. Uma rádio (Rádio despertar) ligada a UNITA, teria sido travada á tangente, pois já tinha no alinhamento do seu noticiário das doze e trinta de sexta-feira uma notícia sobre o assunto. As redacções têm a carta, mas ainda não a publicaram.

Segundo o documento, de cinco páginas, que o Club-k.net teve acesso a dupla de coordenadores dos serviços noticiosos são descritos como “ almas gémeas da maldade, arrogância, prepotência e abuso de poder da direcção de informação do Canal.

“Editores, reportes e técnicos em geral”, segundo o documento, “ vêm por este meio expor a sua total indignação e repulsa pelos actos de abuso de poder, faltas de respeito, promiscuidade e parcialidade nos funcionários desta área”. Inhagica gaba-se de ser um repórter presidencial (tendo sido por isso coptado para dirigir uma secção de coberturas presidenciais. Ele se gaba de ter costas largas, bom relacionamento com os altos funcionários do palácio presidencial e da segurança angolana a todos os níveis. É por isso temido dentro da TPA.

Nas ultimas eleições era, inclusive, o único repórter que chega a centímetros do presidente nos seus discursos de campanha, chegando ao cumulo de esticar o seu microfone, mesmo com outro da TPA já lá instalado, numa atitude descrita com “ snobista” e arrogante).

Ana Lemos, por sua vez, afirma de boca cheia que tem as costas largas por ser prima directa da primeira-dama, Dona Ana Paula dos Santos. Este “casal” tem sido chamado jocosamente nos corredores e a boca pequena de ser um par de bailarinos.

 Factos imputados descritos na carta:

 - Gonçalves pede favores poucos eticos as reportes mais jovens que buscam ascensão. Uma nova apresentadora e colaboradora da estação (nome ocultado por razões éticas) terá chegado a apresentação, segundo carta, por razões de troca de favores improprios. Duas semanas depois de ter entrado numa formação foi promovida.  

- O mesmo chama nomes como “ gajas” as colegas. Conta-se o caso de um repórter de imagem que viu a sua cara-metade humilhada em plena redacção. A sua companheira está na área do desporto.

- Ana Lemos expulsa colegas da redacção como se de cães de tratassem. Uma vez chegou a ameaçar chamar a segurança aos gritos. As pessoas da área de línguas nacionais são chamadas de “ macacos/ macacas”.

- Estes terão entrado em colisão com grande parte dos pesos pesados da redacção;

- Rasgam documentos e noticias na cara das pessoas;

- Antes de Nelson Pâncio (jornalista, cantor, e locutor) morreu de ataque cardíaco, mas na noite teria discutido fortemente com Ana.

- Praticamente a direcção de informação perdem controlo perante o par de bailarinos, com o rei na barriga. Ramiro Matos e Manuel da Silva “ manelito” assistem a tudo impávidos e serenos; 

- Devido ao clima de “terror” muitos repórteres fogem para TV ZIMBO( ex. Rossana Miranda). Carlos Nogueira “ fugiu/ desertou para o Bom dia Angola; - A carta anónima aponta ainda falhas graves dos dois profissionais, desde a escrita, a narração e a apresentação dos trabalhos ao vivo. Fala-se de mímicas mal feitas, erros de concordância e débil domínio da língua portuguesa.

- Ana Lemos “ Nany”terá quase chegado a vias de facto com uma colega, Fernanda Manuel. Ana chama de prostitutas as outras apresentadoras.

- A carta bastante profunda fala ainda de comportamentos sexuais do chefe da cobertura presidencial.

- Muitos colegas afirmam que não são escalados propositadamente para reportagens.

A semelhança do que tem acontecido em casos do género, os autores da missiva recorrem ao anonimato. O club-k recebem em Janeiro uma outra carta de homens da RNA, falando sobre o esquema de delapidação financeira que acontece na rádio estatal. 

Em breve: Clima aparentemente calmo na RNA
Fonte: Club-k.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: