Luanda –  Através de recentes  manchetes  do Jornal de Angola (Governo) e do Jornal "O Pais"  (pertencente aos generais da presidência), o Ministério da Administração do Território liderado por Bornito de Sousa, acusou o cidadão Ernesto João Manuel  de ter feito  duplo  registro eleitoral a mando do partido UNITA. 
 
Fonte: Club-k.net
 
Falha: Sistema eleitoral angolano permite  duplo registro 
 

Em carta que o Club-K teve acesso, o referido cidadão que por sinal é membro da comissão eleitoral do Município da Quissama indicado pelo maior partido da oposição   deu a sua versão desmentindo os pronunciamentos dos responsáveis do MAT (Adão de Almeida) e da propaganda dos dois órgãos de comunicação do  regime. 
 
 
Ernesto João Manuel explica que efectuou o seu registro eleitoral no dia 26 de Outubro de 2012, em Bom Jesus, Icolo e Bengo. 
 
 
No dia 9 de Novembro, o mesmo decidiu actualizar na Muxima Sede, a morada constante do seu próprio registro mas não conseguiu fazer a atualização porque o sistema não reagia durante mais de uma hora. Depois de contactar o MAT, o mesmo foi informado pelo brigadista de serviço,  Ângelo Cavuquila que os seus dados não constavam do sistema, pelo que deveria aguardar o contacto  do MAT, porque havia uma falha de comunicação no sistema que não permitia fazer atualização do seu registro. 
 
 
Como o cartão de  Ernesto João Manuel foi emitido no dia 26 de Outubro, o mesmo decidiu aguardar pelo contacto do MAT conforme sugerido. Não houve qualquer  retorno  do MAT até   ao dia 21 de Dezembro, data da ultima visita Manuel a brigada da Muxima.
 
 
Tendo em conta que os seus dados fornecidos no dia 26 de Outubro continuavam a não aparecer no sistema, todos os agentes do MAT aconselharam-no a efectuar um novo registro. Foi assim que no dia 30 de Dezembro de 2016, dirigiu-se á brigada fixa a então administração Municipal de Belas para efectuar novo registro.
 
 
Posto lá, o cidadão Ernesto João Manuel informou ao  chefe de Brigada da sua situação. Forneceu os mesmos dados de identidade e mostrou o seu cartão de eleitor. Novamente foi informado que os dados não constavam do sistema e que demoraria efectuar um novo registro. E assim procedeu, ali mesmo em Belas. 
 
 
No  dia 12 de Abril de 2017,  Ernesto João Manuel telefonou ao diretor nacional  do MAT, Antônio Lemos informando que estava a caminho para o encontro e este o comunicou que o encontro já não era necessário porque as duvidas que tinha estavam esclarecidas.
 
 
Estranhamente,  no dia 19 do corrente mês o secretario de Estado do MAT  Adão de Almeida através dos órgãos de propaganda do governo, acusou  Ernesto João Manuel de ter feito duplo registro a mando da UNITA. Ao mesmo tempo o MAT rejeitou aos apelos dos partidos da oposição para auditoria do sistema informático do registro eleitoral que permite duplo registro. 
 
 
O jornalista e economista Alexandre Neto Solombe - que acompanhou  a forma como os órgãos de comunicação do governo trataram o assunto -  considera que “A história do comissário que supostamente obteve dois cartões de registo eleitoral credibilizaria os jornalistas, se tivessem coragem de negar a propaganda, pela ética e deontologia  profissional.”
 
 
“Não basta que se defenda o pão, aceitando as imposições editoriais dos patrões de ocasião. Angolanos sem pão, prejudicados pela corrupção são milhões”, diz o profissional que aconselha os leitores a lerem a exposição do comissário Ernesto Manuel e “tirem-se as devidas conclusões”.
 
Loading...


DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: