Luanda - É quase impossível ver um ditador africano ser enterrado com todas honras; mesmo assim os ditadores não deixem de ser filhos de Africa. Muitos entre eles elegeram-se como cidadãos especiais tendo cada um bilhete de identidade ou passaporte número um dos seus respectivos países, sao herois nacionais, presidentes em vida, comandantes gerais das forças armadas, acumulam pastas e pastões quanto perdem dignidade etc

Africa está de novo em luto, apagou-se a alma do El Hadj Omar Bongo Ondimba, um pigmeu originado da floresta tropical de Africa central, que tinha assumido o poder em Gabão onde presidenciou o destino da nação por mais de quatro décadas. Bongo com 41 anos no poder pertençeu ao colégio de presidentes africanos recordistas na ditadura. Ele não deixou marcas positivas no palco politiqueiro do continente se não for a sua resistência contra a proposta de Mobutu da fundação da LENA (Ligue des Etats de Noirs d’Afrique), um tipo de união africana só para bantus. Ele foi o primeiro presidente africano do tempo moderno de casar-se com a filha (que falecera há dois meses) de um outro presidente(Sassou do Congo-Brazaville). Bongo compartilhava o ideal de Mobutu, que foi: ‘’nunca ser chamado ou considerado de antigo ou ex-presidente’’. Infelizmente Mobutu morreu asilado nos Reinos de Marroco enquanto mesmo em estado comatoso durante meses Bongo soube guardar a sua presidência. Ultimamente em 2008 Bongo fez uma declaração provocativamente escandalosa desabafando: ‘’caso perder as eleições presidênciais em Gabão, iria candidatar-se na República Democrática do Congo’’. Esta ironização foi considerada de provocação e insultuosa por parte de Kabila Kabangue.

Tanto quanto procuro reflectir um pouco sobre o poder dictatorial e talvez deixar escapar umas gotas de lágrimas em mémoria de Albert Bernard Bongo os meus pensamentos são sempre desviados ou mesmo destraídos por uma personagem mística. Mística porque ocupou um cargo desconhecido mas com uma silhouette omnipresente nos arredores da presidência angolana por um tempo bem prolongado. Mística porque como angolano, teve muita influência no Gabão até ser considerado do homem mais forte depois de Bernard Bongo; foi mesmo vice-presidente sem pasta. Falo do então Embaixador angolano na terra de Bongo, a Sua Excelência Sr. Ndombele Bernardo.

Foi o Ndombele Bernardo que com Norman Nlamvu trabalharam para mobilizar muitos quadros angolanos de regressar desde Brazaville para Angola contribuir a reconstrução nacional. Jovens ou quadros estes que no inicio dos anos 80 aguentaram o sistema educacional de Angola e a administração mas também outros sectores económicos e muitos deles passaram pelos centros sociais (pousadas) de São Paulo e Neves Bendinha.

Foi o Ndombele que fora da carreira diplomática teve uma actividade de negócio paralelo da venda de bilhetes da TAAG (Companhia Aérea de Angola). Neste business Ndombele foi entre os distacados que contribuiram para o retrocesso económico desta empresa de tamanho assustável. Este negócio ajudou o nosso businessman de posicionar-se no topo de ‘’despejadores’’ que facilitaram jovens africanos penetrar o novo mundo de asilo no velho continente.

O Plenopotênciario super-Embaixador angolano Ndombele foi o homem da confiança do Presidente José Eduardo dos Santos representando-lhe constantemente nos assuntos privados. Ele foi saltando de um avião ao outro nos múltiplos idas-e-voltas entre Angola-Gabão-India tratando affaires personnels do Mais Alto Dirigente do MPLA e de Angola. O místico Ndombele que tinha forçado e traçado caminho no círculo de JES representou este últimamente na mediação do conflito sobre a crise politico-militar em Côte d’Ivoire.

A escolha para a denominação do escândalo financeiro angolano foi primeiramente designado por Ndombelegate para depois evoluir para Angolangate. Isto prova como o então Embaixador era envolvido no circuito da influência presidêncial. O angolano, segundo homem mais forte do bruto regime gabonês desapareceu sem deixar mínimos traços na cena política ou diplomática de Angola que até ser hoje persona non grata nos edifícios do MIREX. O que na realidade se passa ou se passou? Por onde passou ou está estacionado Ndombele Bernardo? Queria saber qual foi a sua reacção a notícia do falecimento do querido Xará Bongo. O que na verdade aconteceu com Ndombele, the gaffer? Qual foi seu pecado que não merece perdão? Minhas condolências as familias enlutadas!!!

Fonte: http://kinzinzi.blogspot.com



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: