Luanda - O ativista angolano Rafael Marques questiona a forma como foi feita a contagem dos votos que deram a vitória com 61% ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

Fonte: TSF

"Não houve apuramento de votos em 14 das 18 províncias de Angola (...), sem esse apuramento, as eleições são roubadas", contou o jornalista e ativista dos direitos humanos à margem se um seminário no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

 

Rafael Marques conclui que os dados apresentados à Comissão Nacional de Eleições foram com certeza recolhidos num "centro de contagem alternativos da MPLA". Ou seja, "até prova em contrário", os resultados finais das eleições são "falsos".

 

À contestação levantada pelo apuramento dos votos, juntam-se críticas a Marcelo Rebelo de Sousa. "O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa deu os parabéns antes que o processo eleitoral tivesse sido concluído", condenou o ativista.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: