Luanda - Ana Gomes, que tem investigado negócios de Isabel dos Santos, espera que a ruptura iniciada em Angola se estenda à recuperação de ativos em Portugal.

Fonte: Jornal Economico

Estas decisões são surpreendentes? Era este o timing esperado?
“São uma boa surpresa. Não são surpreendentes na medida em que já se admitia que isto fosse necessário, porque João Lourenço não poderia governar, não poderia ser presidente sem controlar a Sonangol e sem controlar esses outros veículos, designadamente mediáticos, que eram controlados pela família Dos Santos.

Qual poderá ser o racional de João Lourenço? É um ato político, com uma decisão de afastar a família dos Santos de postos de liderança? Ou há fatores relacionados com a própria gestão das empresas?
É absolutamente um ato político, mas espero que seja mais do que isso. Espero que tenha consequências ao nível não só da mudança da governação mas também na recuperação dos ativos que foram neste século apropriados pela família Dos Santos.


Espero que tenha consequência para além de Angola num país como Portugal, até pela necessidade de recuperar os ativos que foram desviados de Angola pela família Dos Santos e pelos seus acólitos, como o Manuel Vicente, o General Kopelipa e muitos outros, que isso leve a uma purga da vida política e económica em Portugal. Porque não tenho dúvida nenhuma que há muitos dos homens da cleptocracia angolana que estão em posições de controlo em Portugal, designadamente de grupos mediáticos e empresariais, e espero que isto leve a alguma limpeza em Portugal.

 

Essas pessoas ficam, então, com menos proteção para deter esse ativos?
Não só com menos proteção, mas fica a possibilidade, se houver condições de governação em Angola, de ver os ativos com que obtiveram abusivamente serem retornados a Angola. Isso vai depender muito do novo poder em Angola.

João Lourenço dá um sinal claro sobre o rumo que quer dar ao país? Será muito diferente daquele que foi escolhido por José Eduardo dos Santos nos últimos anos?
Há, sem dúvida, sinais positivos que quer mostrar uma vontade de real ruptura. A questão é ver se é para substituir uma cleptocracia por outra e eu espero que não seja o caso. Existem também questões que tem sido levantadas sobre a própria postura da família do próprio João Lourenço, veremos se Angola vai mudar para um caminho de governação mais séria e transparente dos recursos fabulosos do país para que estes possam ser postos ao serviço do povo, ou se vamos ver a substituição de uma cleptocracia por outra. Agora, que estamos a viver um período de ruptura, disso não tenho dúvida.

 

Poderá haver uma contra-reação? O antigo presidente continua a ser importante nos bastidores, dado que ainda lidera o MPLA?
Os cargos e o poder são feitos por quem tem capacidade para os usar até aos limites das suas possibilidades. João Lourenço está mostrar fibra ao assumir todas as responsabilidades que o cargo oferece.
Em Angola, alguns já chama a José Eduardo dos Santos ‘o defunto’, que eu acho muito significativo de uma queda. Há muitas pessoas que só têm poder enquanto estão realmente no poder. No fundo, João Lourenço saberá que trata-se extactamente de esvaziar essa competência que derivaria de ser presidente do MPLA e poder ainda reinar. No imaginário da opinião pública angolana, é significativo que a centralidade de poder que era associada a Eduardo dos Santos desapareceu e isso também tem a ver com as condições de vida dramáticas em que está a viver o povo angolano. Há uma vontade de mudança na sociedade angolana e penso que João Lourenço é capaz de levar isto por diante porque interpreta essa vontade.


Neste momento, com o ambiente internacional, que tem os olhos postos em África porque o Zimbabué também está em mudança, não creio que haja condições para haver uma reação eficaz para travar as ações do atual presidente.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: