Lisboa – O Presidente   do MPLA, José Eduardo dos Santos solicitou recentemente  às autoridades competentes a  interrupção ao processo de  investigação criminal  contra às irregularidades detectadas na gestão da sua filha Isabel dos Santos enquanto Presidente do Conselho de Administração da Sonangol.
 
Fonte: Club-k.net
 
A filha cometeu crimes de peculato enquanto PCA da Sonangol
 
A intervenção do ex-Chefe de Estado, surgiu depois de a Presidência da República  ter partilhado com ele os resultados da  investigação às contas da Sonangol na qual foi descoberto o desfalque de mais de 135 milhões de dólares que a sua filha transferiu para conta de suas empresas no Dubai.  
 
 
As investigações foram baseadas em auditorias e a interrogatórios levadas a cabo pelo Serviço de Investigação Criminal, mediante uma participação apresentada pelo novo conselho de administração liderado por Carlos Saturnino.  O  luso-indiano Sarju Raikundalia que se ocupava das finanças da empresa e que ajudava Isabel dos Santos a fazer as transferências foi  também ouvido pelo SIC.
 
 
O SIC, pretendia também ouvir Isabel José dos Santos, porém, antes de ela ser notificada, a Presidência angolana remeteu o dossiê para o conhecimento do seu pai José Eduardo dos Santos e este por sua pediu que as investigações contra os desfalque  da  filha, na Sonangol ,  fossem abortadas/arquivadas.
 
 
De acordo com o que é público, Isabel dos Santos terá, enquanto PCA da Sonangol, desviado 135 milhões de dólares que transferiu para contas das suas empresas sob alegação de estar a efectuar pagamentos às supostas consultorias prestadas ao  processo de restruturação da petrolífera estatal. As suas empresas usadas  nestas operações são    foram a Matter Business Solution DMCC,  Wise Solutions e Born Angola. 
 
 
Antes de deixar a Sonangol, a filha do líder do MPLA,  deixou selado um acordo determinando   que  para o ano 2017, os cabazes  de natal para os  funcionários fossem levantados no seu  supermercado “Candando”. 
 
Tema relacionado 
 


DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: