USA - O tribunal da ONU que julga os supostos responsáveis pelo genocídio de Ruanda de 1994 condenou esta terça-feira o ex-governador de Kigali, Tharcisse Renzaho, a prisão perpétua por cinco crimes.

 Ex-governador de Kigali

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda já tinha acusado Tharcisse Renzaho de genocídio, cumplicidade de genocídio, assassinato e violação nas matanças de minorias que vitimaram 800000 tutsis e hutus. O tribunal considerou-o culpado de todos os crimes, excepto o de cumplicidade com o genocídio.

Tharcisse Renzaho, detido na República Democrática do Congo, em 2002, constava na lista dos nove principais suspeitos da autoria do massacre, razão pela qual o governo dos EUA tinha oferecido uma recompensa de cinco milhões de dólares a quem fornecesse qualquer informação que conduzisse à sua captura.

O tribunal confirmou que Renzaho, de 65 anos, que se declarou inocente de todos os crimes, participou no genocídio, facilitando o acesso a armamento.

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda acusa ainda Renzaho de ter ordenado o assassinato de 60 crianças tutsis, bem como de ter enviado mensagens através da Rádio Ruanda nas quais pedia à polícia, aos soldados e às milícias para controlar, localizar e matar os tutsis.

Fonte: Correio da manha 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: