Luanda - O Tribunal Judicial de Maputo condenou esta terça-feira Zófimo Muiane a 24 anos de prisão, pena máxima, pelo homicídio da esposa, Valentina Guebuza, filha do ex-Presidente moçambicano Armando Guebuza, ocorrido em dezembro de 2016.

Fonte: Lusa

O arguido foi ainda condenado ao pagamento de uma indemnização de 50 milhões de meticais (68 mil euros), anunciou a juíza Flávia Vasco Mondlane, durante a leitura do acórdão.

 

O tribunal deu como provado que Zófimo Muiane, 44 anos, matou deliberadamente Valentina Guebuza, na altura com 36 anos, com um tiro no tórax e outro no abdómen, no quarto da residência do casal, no bairro da Polana Cimento, coração da capital moçambicana. Além de homicídio qualificado, o arguido foi condenado por violência psicológica, falsificação de documentos e posse de armas proibidas, levando o conjunto dos delitos à pena máxima.

 

Zófimo Muiane declarou-se inocente, alegando que Valentina Guebuza perdeu a vida durante uma disputa pela pistola que a vítima terá arrancado da cintura do marido para o expulsar de casa sob ameaça. Citando resultados do relatório da perícia, a juíza afastou a possibilidade de o tiro ter sido efetuado numa disputa, considerando que Valentina Guebuza não tinha treinamento e nem postura física para lutar com o seu marido.

 

“Os peritos em balística descartaram a possibilidade de ter sido um tiro acidental”, explicou a juíza, durante a leitura da decisão.

 

O advogado de Zófimo Muiane disse aos jornalistas que a defesa vai recorrer do acórdão, considerando que houve “muita pressa” por parte do tribunal para o encerramento do caso.

 

“Não vamos discutir a sentença neste momento, mas achamos que foi injusta. Houve muita pressa por parte do tribunal. Nós levantámos questões pertinentes e não foram observadas com calma”, referiu Amadeu Uqueio.

Por seu turno, os advogados da família Guebuza manifestaram-se satisfeitos, mas lembraram que “a vida não pode ser substituída”.

“Estamos satisfeitos e temos de destacar o trabalho do Serviço Nacional de Investigação Criminal que conseguiu trazer para os autos matéria suficiente” para “sustentar o julgamento que foi feito aqui”, declarou Alexandre Chivale.

Ao longo das oito sessões de julgamento, iniciado a 18 de dezembro, foram ouvidas 15 pessoas, entre padrinhos e amigos do casal, peritos em medicina legal e criminalistas. Os padrinhos e uma colaboradora da vítima relataram que estiveram na habitação do casal antes do homicídio para tentar resolver uma crise no casamento.

Na ocasião, Valentina Guebuza pediu a separação do marido durante algum tempo para que a situação se apaziguasse, mas Muiane, que era gestor da empresa estatal de telecomunicações móveis Mcel, recusou a separação. A leitura do acórdão contou com a presença do pai da vítima, o ex-Presidente da República Armando Guebuza, além de várias outras personalidades moçambicanas.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: