Lisboa - Lizeth Lorena Sanabria, estudante de mestrado em Ensino de Ciências Exatas e Naturais da Universidade Nacional da Colômbia, colocou uma câmara no escritório do professor, para denunciá-lo por assédio sexual.

Fonte: Jornal de Noticias

De acordo com o jornal espanhol "El Pais", o vídeo mostra como o Freddy Moroy usa desculpas académicas para se aproximar da aluna. "Não queria orientar mais trabalhos", diz o professor a Lizeth. Enquanto o também diretor de pós-graduação tenta beijá-la e apalpá-la, a jovem repete várias vezes "não, professor".

Durante os minutos do vídeo, Lizeth tenta libertar-se, mas o professor da Universidade Nacional da Colômbia insiste em abraçá-la. O abuso termina quando a estudante se levanta, afasta-o e repete que tem de se ir embora.

"Eu filmei o vídeo para que isto não volte a acontecer com outra pessoa", explicou Lizeth em entrevista à "W Radio". Inicialmente, tinha pensado em trocar de orientador, mas, após falar com uma colega de turma, percebeu que não era a única a ser abusada. Assim, decidiu continuar a tê-lo como tutor para o poder denunciar.


O momento filmado não foi a primeira vez que Freddy a assediou, mas o medo impediu-a de agir mais cedo. Segundo a aluna, o professor ganhava a confiança das estudantes porque "mostrava interesse nos seus trabalhos e lhes dedicava tempo". Quando começavam a confiar nele, iniciavam-se os abusos. A Lizeth, Freddy começou por dizer-lhe que ela se portava bem, que tinha feito coisas por ela e sugeriu que fossem para um sítio mais privado. "Sofri muito, até pensei em não voltar à faculdade", confessou a estudante.

Depois de ter provas, a aluna apresentou uma queixa disciplinar na universidade e uma queixa de assédio sexual na polícia. A Universidade Nacional da Colômbia disse, em comunicado, que já haviam iniciado as medidas disciplinares contra Freddy Moroy.


Contudo, em nenhum momento se falou de expulsão do professor. Por causa disso, os estudantes concentraram-se para uma manifestação a exigir medidas contra o assédio na instituição académica.

Tema relacionado 

Huambo: Universitárias trocam notas por sexo



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: