Lisboa - Tão logo que assumiu as funções de chefe do Serviço de Inteligência e Segurança de Estado (SINSE), o general Fernando Garcia Miala detectou irregularidades nesta instituição com realce ao desaparecimento de seis milhões de dólares norte-americanos, dos cofres da USOKO - Associação Mutualista, uma instituição que funciona como cofre de providência da  secreta angolana.

Fonte: Club-k.net

Encontrou a instituição desorganizada 

Segundo apurou o Club-K, o novo patrão do SINSE criou uma comissão de gestão liderada por uma funcionária Maria da Glória para num espaço de três meses redireccionar os objectivos pela qual esta instituição mutualista  foi criada.

 

A USOKO foi criada pelo antigo director do SINSE, Sebastião José Martins “Potássio”, com a finalidade de “assegurar a protecção social complementar e a solidariedade social dos funcionários dos Serviços de Inteligência e Segurança do Estado”.

Seria Sebastião Martins a deixar os seis milhões de dólares, nos cofres da instituição, que segundo apurações, ninguém  agora consegue justificar o seu paradeiro.

Porém, foi na gestão do comissário Eduardo Filomeno Bárber Leiro Octávio que os funcionários terão dado falta do desaparecimento misterioso do dinheiro da USOKO que sobrevive dos descontos salariais dos trabalhadores do SINSE.

 

Eduardo Octávio foi de início um gestor bastante apreciado devido a disciplina que impunha na gestão do erário público, porém, passou a despertar as atenções dos funcionários que viram nele sinais de ostentação irritando os colegas.

Passou a ter uma fazenda em Malange, comprou um apartamento luxuoso no edifício solar do Alvalade, em Luanda, onde também vive a ex-Primeira dama, Ana Paula dos Santos. Antes de deixar o cargo terá também comprado um outro apartamento em Lisboa.

Certa vez, a sua esposa, Ana Paula Martins chegou a ser citada como tendo sido interpelada no aeroporto de Luanda, ao tentar viajar com 50 mil dólares numa deslocação a Lisboa. O valor permitido é de 10 mil dólares por viagem.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: