Luanda - Se Abel Chivukuvuku pretende vir a ser, alguma vez, presidente de Angola, esta é a sua hora de avançar. Claro que não vai ganhar já, mas de certeza que abrirá caminho e percorrê-lo-á significativamente. Isaías Samakuva, sabe-se, não ganhará nem fará mossa ao candidato do MPLA nas próximas presidenciais.

ImageTem às costas o peso de uma derrota tão grande nas legislativas que o máximo que poderá colher, se avançar, serão uns quantos apupos. Que diria Samakuva nos seus discursos depois de ter sido derrotado por um adversário que à data das presidenciais se achará ainda em estado de graça popular? Como mobilizaria Samakuva os militantes do seu partido quando muitos o vêm como culpado e pouco empolgante? Os estatutos que exigem a sua candidatura serão assim tão sagrados (neste particular apenas, da corrida à Presidência da República) que valham uma previsível nova derrota estrondosa, seguida de um cortejo de deserções e uma entrada em estado de coma do próprio partido? Abel, que é acusado de ziguezaguear à espera de uma oportunidade como quem espera por momentos fáceis, pode fazer da derrota da UNITA nas legislativas de 2008 o seu momento forte. Pode avançar, ainda que à revelia do partido. Assinaturas não lhe faltariam. Dividiria os militantes mas, depois, ser-lhe-ia fácil reunificá-los em congresso extraordinário.

Para as hostes do Galo Negro, se Abel obtiver nas presidenciais um resultado melhor que o de Samakuva nas legislativas, isso representará uma subida do próprio partido.

Se o seu adiantamento provocar, por si só, um congresso extraordinário, tanto melhor. Avançando, Abel ganhará o partido e marcará pontos importantes para as presidenciais de 2015 (previsivelmente). Nessa altura, Abel já terá ganho um novo congresso ordinário da UNITA (bastará dizer que teve de intervir quando a inépcia do Samakuva estava a matar o partido) e, embora menos jovem, estará no subconsciente de muitos como uma alternativa ao lugar de presidente (a depender do seu desempenho nas próximas eleições, claro). Se Abel não avançar agora será acusado de ter fugido quando o partido e os que não se revêem no MPLA e no seu candidato precisaram dele. Se Abel não der a cara já, terá de disputar, depois, a liderança do partido com Jardo Muekália ou outro dos jovens da UNITA e perderá. Perderá porque nessa altura será menos jovem e menos empolgante, porque o seu adversário será, seguramente, alguém com o controlo da máquina partidária e porque, em congresso, não poderá dizer: Eu avisei em 2007, no décimo congresso, que teria sido o melhor candidato.

A UNITA perdeu em 2008 porque vós, militantes, não me destes o partido naquela altura. Em 2011 (ano do próximo congresso ordinário) Abel enfrentaria um Jardo Muekália ou outro jovem do partido a quem bastaria dizer penas o seguinte: Eu não virei as costas ao partido e aos angolanos. Bastaria.

Fonte: O Pais