Lisboa  – Insistentes  rumores em Luanda põem em causa e/ou levantam duvidas sobre o cenário dos elementos apresentados pelas autoridades policias como assassinos da deputada do MPLA, Beatriz Salucombo recentemente vitima da onda da criminalidade na capital do país.


Contrariedades das declarações dos marginais
 provocam duvidas aos cidadãos

1 - De acordo com um levantamento de dados, as duvidas recaem pela contrariedade notada nas entrevistas com que os mesmos deram aos órgãos de comunicação, dentre as quais os populares levantam as seguintes duvidas ou constatam as enumerações a citar:

- Rapidez na captura dos elementos (em menos de 7 dias)
- Os marginais alegam que queriam assaltar a viatura mas o crime não aponta características de roubo mas pelo facto de terem baleado a deputada sem que esta tivesse reagido e os mesmos ainda esperaram que o irmão da mesma saísse para ser também atingido mortalmente, aumenta as duvidas 
- Um dos assassinos diz que matou o irmão da senhora porque o mesmo saia de dentro postos a dar resposta aos disparos. Pelo que se sabe, o Senhor Antonio das Neves não andava com arma (funcionários da DEFA não usam pistola) e em momento algum reagiu com tiros
- A Policia diz que dois dos assassinos  morreram em confronto com as suas forças, porem não foi notado sinais de balas ou de tiroteios na viatura usada pelos bandidos
- Um dos marginais conta que no dia em que foi apanhado estava em casa e foi chamado pelo “comando” (terminologia que usou para descrever o mentor do assalto) e quando foi a casa deste encontrou a policia que acabou por lhe prender. Os populares questionam como foi que a policia pegou primeiro o cerebro do roubo que não estava no dia do assalto, Por norma, segundo dizem pega se primeiro os assassinos e por fim estes indicam que os mandou (mentor/cerebro)
- A Policia diz que a viatura usada tivera sido roubada mas os marginais dizem que era pertence  de um deles (Hipotese de os suspostos assaltantes estarem a mentir)
- Em momento algum a policia declarou como assassinos mas sim usou o termo “supostos assassinos”
- Rumores em meios familiares, com veracidade, ainda em apuração , aludem que a filha da malograda que viu os assissinos na hora do crime, esta a ser traída pela memória de forma a reconhecer que os apresentados foram os elementos confrontados no dia da tragédia.    

2 - Na seqüência de tais rumores a sociedade suspeita que em caso de haver sustentação, então a apresentação dos supostos marginais podem ser interpretadas da seguinte forma:

- Mostrar que a rapidez deveu se ao apelo “sábio e clarividente” do PR
- Demonstração da eficácia da policia uma vez que são abalados  com  informações segundo a qual haverá mexidas
- Alertar  que em gente do MPLA ninguém toca e se tocarem serão sempre apanhados (Deputado Mfulumpinga não era do partido do poder por isso seus mentores nunca foram apanhados)

As autoridades ainda não prestaram publicamente informações sobre o destino que foi dado aos supostos assassinos. Os rumores que se levantam em Luanda são apenas hipóteses  levantada pelas mesmas.

Fonte: Club-k.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: