Lisboa - O ex-presidente do Zimbabwe Robert Mugabe afirmou este domingo que não vai votar no seu sucessor, Emmerson Mnangagwa, e deu a entender que irá votar no opositor Nelson Chamisa nas eleições presidenciais desta segunda-feira.

Fonte: Lusa

Image"Pela primeira vez, temos uma longa lista de aspirantes ao poder", disse o ex-presidente, de 94 anos, durante uma conferência de imprensa realizada na sua casa, em Harare.

 

Aniversário de Mugabe declarado feriado nacional Aniversário de Mugabe declarado feriado nacional "Não posso votar naqueles que me têm maltratado, farei a minha escolha entre os outros 22 candidatos", acrescentou.


No poder desde a independência do país em 1980, Robert Mugabe foi forçado a sair do governo em Novembro de 2017 pelos outros líderes do regime e substituído por seu ex-braço direito, Emmerson Mnangagwa.


Robert Mugabe deixou a entender que votaria em Nelson Chamisa, líder do principal partido da oposição, o Movimento pela Mudança Democrática (MDC) e seu inimigo histórico.


"Eu não posso votar no Zanu-PF", o partido no poder desde a independência do Zimbábue em 1980, disse Mugabe.


"O que resta? Chamisa", declarou, referindo-se ao líder do MDC.


"Ele parece estar bem nos seus comícios", declarou o ex-presidente sobre Chamisa.


"Quem vencer, desejamos-lhe bem (...) e vamos aceitar o resultado", garantiu.


Mugabe culpou "personagens malignos e maliciosos" pela sua retirada, após 37 anos no poder no Zimbabwe, referindo ainda que renunciou para evitar um "derramamento de sangue".


A intervenção pública de Robert Mugabe - a segunda desde Novembro - aconteceu na véspera das primeiras eleições presidenciais e legislativas sem o antigo homem forte do país.


O favorito nas sondagens, Emmerson Mnangagwa (candidato pelo Zanu-PF), de 75 anos, enfrenta uma oposição determinada liderada por Nelson Chamisa, de 40 anos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: