Luanda - Interrogados sobre se acreditavam que os homens que a PN apresentou são, de facto, os assassinos da deputada, Domingos Maluka e Sediangany Mbimbi não hesitaram em manifestar sérias reservas.

O antigo deputado da UNITA respondeu que “na sociedade há duas possibilidades quando se avalia estes casos: a de serem os verdadeiros autores e a de serem induzidos a declarar que são os autores, para agradar algumas pessoas da sociedade.” “Esperamos que sejam os verdadeiros assassinos, claro, mas temos sempre uma pulga atrás da orelha”.

Também o líder da PDP-ANA disse ter “muitas dúvidas” em relação às pessoas que a PN apresentou, sustentando que não é a primeira vez que “a Polícia diz que determinados indivíduos são assassinos, para depois aparecem a dizer que, afinal, não são”.

Sediangani Mbimbi apontou o exemplo do assassinato, no ano passado, de oito jovens na zona da Frescura, no município do Sambizanga em Luanda, em que o juiz concluiu não serem os verdadeiros autores os cidadãos que a PN havia apresentado à imprensa.

No último fim-de-semana, a PN apresentou João António Luamba Mutolo, 22 anos, e António Samuel Serrote “Puto Pisa”, 32 anos como os autores dos disparos que vitimaram a deputada do MPLA e o seu irmão. O terceiro foi apresentado como o mandante da acção, identificando-o como Alberto Quiamo, de 42 anos, militar das Forças Armadas
Angolanas (FAA).

Este explicou que os seus “trabalhadores” dedicavam-se ao roubos de viaturas que vendem posteriormente na província do Namibe. Segundo a PN, dois dos assassinos morreram por ripostarem aos disparos dos operativos. Teriam usado, na noite do crime, uma viatura de marca Rave 4 roubada há alguns meses no município do Cazenga.

A PN não precisou a identidade dos integrantes que estariam a monte, acontecendo o mesmo em relação aos dois elementos abatidos. No entanto, o NJ apurou de fonte da corporação que o confronto em que morreram os dois marginais, apelidados de Kim e Maleco, aconteceu por volta das zero horas da passada quinta-feira no município do Kilamba Kiaxi. Falando na condição de anonimato, a fonte revelou que os mesmos aparentavam ter 25 e 35 anos de idade.

Sobre o “mistério” da celeridade com que o caso foi esclarecido, a fonte não se quis manifestar

Fonte: Novo Jornal



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: