Luanda - A Federação Angolana de Futebol (FAF) precisa de pelo menos 30 milhões de kwanzas, para o pagamento das diárias dos atletas convocados para os trabalhos de preparação da Selecção Nacional de Honras, visando os jogos com as similares do Botswana, Mauritânia e Burkina-Faso, para a campanha de apuramento à fase final da Taça de África das Nações (CAN), em 2019, nos Camarões.

Fonte: JA

Além das diárias dos jogadores, a FAF tem de pagar também o alojamento, alimentação e transporte dos atletas, bem como das equipas de arbitragem dos três jogos.


O Jornal de Angola apurou ontem junto de um membro do Gabinete Técnico das Se-lecções Nacionais, que os Palancas Negras concentram-se no dia 2 de Setembro, às 20h00, numa unidade hoteleira da capital.


A Selecção Nacional arranca com os trabalhos de preparação na capital, na segunda-feira, 3 de Setembro, com os habituais exercícios físicos. Srdjan Vasiljevic, seleccionador nacional, que chega na próxima quarta-feira a Luanda, proveniente da Sérvia, anuncia a convocatória no dia 22 ou 23 deste mês, visando o desafio com as Zebras do Botswana, que se disputa no próximo dia 9 de Setembro, às 16h00, no Estádio Nacional 11 de Novembro, em Luanda, a contar para a segunda jornada do Grupo I da campanha de apuramento para o CAN'2019.


Para a terceira jornada do Grupo I, Angola desloca-se à Mauritânia, onde no dia 12 de Outubro mede forças com os Les Mourabitones da Maurítânia, na cidade de Nouakchott. Na quarta ronda, os Palancas Negras enfrentam os Cavalos do Burkina Faso, no dia 18 de Novembro, às 16h00, no Estádio Nacional 11 de Novembro.


Na primeira jornada, disputada no dia 10 de Junho de 2017, a Selecção Nacional perdeu frente aos Cavalos do Burkina Faso, por 1-3, no Estádio 4 de Agosto, na ci-dade de Ouagadougou.


Os angolanos e tswaneses ocupam o terceiro e quarto lugar do Grupo I, ambos sem pontuar na prova. Burkinabes e mauritanianos partilham a liderança, com três pontos.

Artur Almeida e Silva


Depois da Assembleia-geral ordinária da FAF, realizada no dia 25 de Julho, em Luan-da, o seu presidente de direcção, Artur Almeida e Silva, havia declarado à imprensa nacional, que a entida-de necessita de 550 milhões de kwanzas, para suportar todas as despesas das selecções nacionais.


Artur Almeida e Silva destacou que daquele dinheiro, a FAF só recebeu ainda 25 milhões de kwanzas do Ministério da Juventude e Desportos.


Antes do encontro colegial, em conferência de imprensa realizada no dia 12 de Julho, o presidente da FAF anunciou que os patrocínios foram reduzidos em 85 por cento.


Contou que o seu elenco encontrou uma dívida estimada em um milhão de dó-lares, com a Ensa, TAAG (900 mil dólares) e Segurança So-cial dos trabalhadores (300 milhões de kwanzas).

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: