Luanda - A analise do acadêmico e analista dos órgãos do governo, Mario Pinto de Andrade segundo a qual o discurso da Secretaria de Estado Norte americana, Hillary Clinton foi   uma derrota a oposição angolana e a sociedade civil por fazerem criticas as autoridades, mereceu resposta de proeminentes figuras da sociedade em geral.

Na reação, fonte dos referidos sectores  diz  não sentir-se “derrotada” com o discurso de Hillary Clinton. Levam em conta ao facto de a dirigente ter focado os três pontos que consideram importante como  direitos humanos,  fiscalização do parlamento e a  marcação da data das eleições no privado com JES.

Para a OMUNGA, na voz do seu coordenador, José Patrocínio “o reconhecer de um determinado (bom) procedimento (publicação on line dos recursos provenientes do petróleo) não invalidam as críticas em relação a outros (maus) procedimentos em relação à falta de transparência.” Disse

Exemplificou que “ao reconhecermos a importância da resolução da Assembléia Nacional  sobre as demolições, não invalida continuarmos a considerar que mesmo assim continuamos perante flagrantes violações de Direitos Humanos” ou ainda “Ao reconhecermos importante o facto do governo considerar o processo de descentralização, não invalidam as críticas pelo incumprimento e violação da Lei Constitucional em relação às autarquias.”

Por parte da oposição, o político, pro - Bloco Democrático,  Filomeno Vieira Lopes considera “impressionante” a analise de Mario Pinto de Andrade  que coloca “o Governo como interessado em derrotar a sua própria sociedade civil a quem deve saber ouvir e estabelecer os melhores laços de parceria” . segundo diz isto “Mostra o curto entendimento que os comentaristas governamentais têm do papel que a sociedade civil desempenha numa sociedade.”

“Afinal é isto que temos vindo a assistir "matar os anseios da própria sociedade", talvez porque esta sociedade não serve ao governo que pretende inventar a sua própria sociedade”, disse.

Fonte: Club-k.net



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: