Lisboa - O Vice-Presidente do MPLA, João Manuel Gonçalves Lourenço vetou uma instrução de Joana Lina Ramos Baptista, que enquanto integrante da comissão dos preparativos do VI congresso extraordinário do partido havia baixado as organizações de massa, em nome de alegadas “ordens superiores”.

Fonte: Club-k.net

Dirigente  em contradição com a OMA e a JMPLA

Lina, teria comunicado as comissões subalternas, de que  recebeu  instruções superiores de que o Presidente a ser eleito dispensa no programa do congresso, as atividades culturais que geralmente as organizações de massa do partido (OMA e JMPLA), realizam nos congressos e em outros eventos partidários. O evento cultural, designado por “Saudação da JMPLA” e “ Saudação da OMA”, estava agendado para as 14H10M, logo a seguir ao acto de apresentação do Presidente do MPLA eleito.

 

Inconformados com a decisão da dirigente em excluir este numero do programa do congresso, os organizadores procuram justificar-se em todos os cantos que estas atividades culturais eram uma manifestação de boas vindas ao futuro líder do partido.

 

As reclamações dos inconformados, chegou aos ouvidos João Manuel Gonçalves, e este por sua vez, telefonou a Secretaria Geral da OMA, Luzia Pereira de Sousa Inglês Van-Dúnem “Inga”, transmitindo que não se opõe as atividades culturais da JMPLA e OMA, e que não baixou ordens de impedimento.

 

De acordo com contes do Club-K, a ação de Joana Lina, passou a ser interpretada, em meios da organização do congresso, como um acto de sabotagem a “alegria dos militantes" que estarão a festejar  a  eleição de um novo líder . Até pouco tempo, Joana Lina, alistava-se como candidata a Vice-presidência do MPLA, ao lado de Maria Ângela Teixeira de Alva Sequeira Bragança, e Manuel Domingos Vicente. 

 

Jorge Dombolo amigo de infância de João Lourenço desde o tempo do Bié, é o potencial candidato a Secretario Geral do MPLA, em substituição  de Antônio Paulo Kassoma. 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: