Namibe - A fome provocada pela estiagem, na comuna do Iona, município do Tômbwa, tem levado à desistência de dezenas de crianças, do sistema de ensino, no presente ano lectivo, segundo revelou o soba grande da região.

Fonte: JA
Em declarações ao Jornal de Angola, Tjikenga Hepute afirmou que, há vários meses, a merenda escolar deixou de ser dada aos petizes. Como se não bastasse, o único internato implantado na sede da comuna deixou de funcionar, agravando a situação do abandono escolar nesta localidade.

“A fome fez diminuir o número de crianças na escola, porque o internato e a merenda escolar deixaram de existir”, desabafou, solicitando às autoridades competentes o restauro do apoio anteriormente prestado. O soba discorda do argumento segundo o qual os pais instam os filhos a saírem das escolas para cuidarem dos rebanhos que, em determinados períodos do ano se deslocam para locais com melhores condições de pasto.

“Não são os pais ou encarregados de educação que obrigam as crianças a primarem pela pastorícia em detrimento da escola. Elas acompanham os pais ao pasto, para fugir da fome, porque a merenda deixou ser dada”, disse. Entretanto, o director da única escola do ensino primário e primeiro ciclo de Buco-Zau, confirmou à nossa reportagem a desistência de muitos alunos, sobretudo crianças com idade compreendida entre os 9 e os 13 anos, considerada pelos locais como “faixa etária propícia para pastar”.

“As crianças deste escalão etário são as que mais desistem, porque quando chega a altura em que o capim começa a escassear, elas afastam-se da sede da comuna, onde se encontra a escola, para levar o gado às margens dos rios que distam mais de trinta quilómetros” referiu Tomas Cassinda.

O responsável da instituição deu a conhecer que no presente ano lectivo foram matriculados, inicialmente, 149 crianças, tendo apenas 80 terminado o primeiro trimestre, face a desistência de 69 educandos. “No segundo trimestre arrancamos com esse número (80) mas também já temos registo de novas desistências”, lamentou.

Tomás Cassinda explica que a assiduidade das crianças às aulas varia, nas distintas épocas do ano. Na época chuvosa, entre os meses de Janeiro e Abril, há um número maior de alunos, coincidindo com a abundância de capim fresco para o gado, nas proximidades. De Maio a Agosto, geralmente, a seca afecta a região, e nesse período os criadores de animais, que são a maioria dos habitantes, percorrem longas distâncias à procura de pasto para o gado. Nos meses seguintes, de Setembro a Novembro, com o prenúncio das chuvas, as crianças regressam às aulas.

Internato fechado há três anos

Tomás Cassinda confirmou igualmente que o internato deixou de funcionar há três anos, altura em que a merenda escolar também deixou de ser servida aos alunos. Recordou que até meados de 2015, o lar ainda funcionava em pleno, com uma assistência alimentar de qualidade, para um total de 266 alunos.

Um levantamento feito pela direcção escolar dá conta da existência, na região, de mais de 700 crianças em idade escolar fora do sistema normal de ensino. Na óptica de Tomás Cassinda, a recuperação do internato pode colmatar esta situação.

Entretanto, o governador provincial do Namibe, Carlos da Rocha Cruz, que esteve a trabalhar, durante uma semana, nesta e noutras localidades do município do Tômbwa, confirmou a pretensão de reabertura do internato, aventando a possível entrada em funções de um novo gestor que irá reabilitar e apetrechar o lar, bem como repor a merenda escolar.

Carlos Cruz lamentou a desistência recorrente dos alunos, em plena época lectiva, garantindo que \"já nos foram baixadas orientações a respeito e estamos a trabalhar para reverter a situação\". O lar começou a funcionar em 2009 e tem capacidade para 96 camas, sendo metade destinada a estudantes do sexo feminino. Foi concebido para acolher crianças oriundas das zonas mais longínquas e sem familiares nas proximidades da sede da comuna.

O ensino primário e o primeiro ciclo na comuna são assegurados por oito professores, havendo a necessidade de pelo menos mais dez. Para além da escola Buco-Zau, existe na comuna uma outra instituição com duas salas, na localidade de Monte Negro, a aguardar por apetrecho e por um professor, para o seu arranque efectivo.

As autoridades confirmaram ainda a funcionalidade de uma escola de pau-a-pique, localizada na povoação de Otchifengo. Na generalidade o fornecimento de material didáctico (livros para todas classes, guias práticos, mapas, etc) tem sido assegurado pela repartição municipal da Educação.

Solução para pescarias abandonadas

Carlos Cruz, que efectuou a sua primeira jornada de campo no município do Tômbwa, nas vestes de governador do Namibe, começou por inaugurar uma nova escola, denominada 22 de Novembro, no bairro Plató do Mundo Novo. A instituição tem seis salas de aulas, com capacidade para acolher 480 alunos, subdivididos em dois turnos.

O governador provincial visitou ainda vários empreendimentos de impacto social, com destaque para as empresas de captura, transformação e processamento de pescado e outras, em construção naquela vila piscatória. O responsável não gostou das condições em que as mulheres tratam do peixe seco, vulgo mulamba, principalmente a escala e secagem, e promete melhorias, garantindo a construção de um novo espaço, mais adequado a este tipo de trabalho.

Em relação a algumas infra-estruturas do sector votadas ao abandono, Carlos Cruz pretende manter o diálogo aberto com os proprietários, aventando a hipótese de ceder as instalações a pessoas abalizadas em matéria de pescado. “As pessoas não fazem e nem deixam fazer. Então, temos que encontrar uma nova saída”, declarou.

Saúde reforçada com nova ambulância

Na sede da comuna do Iona, onde permaneceu durante quatro dias, o governador Carlos da Rocha Cruz manteve contacto directo com a população e procedeu à entrega de uma ambulância, bem como medicamentos essenciais ao único posto médico existente.

O meio de transporte entregue fazia muita falta à comunidade, conforme fez saber o enfermeiro Silvino Daniel. Há três anos que as duas primeiras ambulâncias estão avariadas. No posto, as doenças respiratórias dominam o quadro clínico da região, seguidas das transmitidas sexualmente, como a gonorreia e sífilis. A malária aparece com casos esporádicos.

O técnico de saúde disse precisar de mais um enfermeiro e de um auxiliar de limpeza. Clama ainda por uma viatura de apoio aos trabalhos de rotina na periferia, dada a complexidade de cada localidade. O posto médico tem capacidade de internamento para quinze camas, sendo cinco para a pediatria, igual número para a enfermagem e para a sala de partos.

Em relação a aquisição de fármacos garante “não constituir problema”, uma vez que o posto médico tem sido contemplado trimestralmente com “kits” provenientes do Programa de Medicamentos Essenciais, a partir de Moçâmedes, sede da província, situada a 300 quilómetros do Iona.

O governador entregou igualmente três motorizadas para servir a administração comunal, o soba grande e os regedores da povoação de Monte Negro. As mesmas irão facilitar as deslocações, nas suas respectivas áreas de jurisdição.

Melhorias no abastecimento de água

Dois novos sistemas de abastecimento de água foram inaugurados pelo governador Carlos Cruz, nas povoações de Humbi e Mongo, comuna do Iona, para o fomento da agricultura, por via da criação de lavras familiares. A empresa Hidraplanalto executou os trabalhos que tiveram a duração de um ano. Cada reservatório elevado de água tem capacidade para cinco mil litros e bombeia por hora a metade desta quantidade. Os sistemas são suportados por painéis solares instalados nos locais, a par de um aparato tecnológico montado, por forma a evitar colapsos, segundo assegurou o encarregado de obras, Carlos Marinheiro, que não avançou os custos da empreitada.

Uma fonte na localidade de Londjo, descoberta e trabalhada no tempo colonial, precisamente a 12 de Março de 1969, despertou atenção do executivo de Carlos Cruz. A água jorra a partir de um rochedo gigante, encalhado entre os montes e colinas que despertam curiosidade. As autoridades pensam transformar o local, depois de reabilitado, em zona de atracção turística e numa importante reserva de água para irrigação das lavouras. Dos nove furos de água existentes, seis estão em funcionamento. Os restantes, destinados à irrigação de lavouras, ainda estão por concluir, segundo um ancião da comunidade que lia o memorando apresentado ao governador.

Carlos Cruz visitou igualmente a povoação de Cambeno, onde permaneceu demoradamente, a fim de se inteirar das acções levadas a cabo pela administração local, no sentido de contribuir para a melhoria da qualidade de vida daquela comunidade pastoril autóctone. Aí, a população foi contemplada com alguns bens alimentares e outros de primeira necessidade.

Maior controlo, denúncia e “caça” aos caçadores furtivos

Nos encontros que manteve com populações de diversas localidades, o governante pediu vigilância redobrada para combater a caça furtiva no Parque Nacional do Iona, tendo apelado para o maior controlo e denúncia dos prevaricadores que ilegalmente entram pela Chibia (Huíla), Pediva (Namibe) e zonas fronteiriças da Namíbia, visando a detenção dos mesmos e adopção de medidas severas.

“Sejam vigilantes, não se deixem enganar por estranhos que invadem o nosso território e entram no parque para matar os nossos animais”, alertou. Carlos Cruz sensibilizou, por outro lado, os criadores de animais a aderirem massivamente às campanhas de vacinação do seu gado, evitando que venham a morrer por contágio de carbúnculo sintomático e hemântico, dermatite nodular, pneumonia e outras doenças que invadem os currais.

Durante a última campanha que recentemente se realizou na comuna, apenas 700 cabeças de gado foram vacinadas, das 70 mil existentes.

Novo administrador comunal

O novo administrador da comuna do Iona foi apresentado à população, por ocasião da visita de trabalho do governador à localidade. Trata-se de Aristides António Tumbo, que substitui no cargo Madalena Júlia Felismina, agora reformada.

O governador pediu à comunidade para colaborar com o novo representante da administração do Estado a fim de, juntos, desenvolverem a comuna. Ao administrador, Carlos Cruz encorajou a saber lidar com as comunidades locais, dominar os seus usos e costumes e, com o apoio das autoridades tradicionais, encontrar fórmulas para solucionar problemas que eventualmente possam surgir. A comunidade agradeceu o governo pelos bens postos a sua disposição, mas manifestou preocupação pelas crianças fora do sistema de ensino, principalmente nas localidades de Otchifengo, Tchieke, Monte Negro e Tchavai. Por outro lado, os populares clamam pela necessidade de se implementar na sede comunal os serviços de telefonia móvel.

A terraplanagem das vias de acesso que ligam a sede municipal à comuna e desta ao Monte Negro, bem como a colocação de uma ponte sobre o rio Salondjamba também fazem parte das preocupações da comunidade. Foi também reiterada a necessidade de se reforçar o sector do comércio a nível local.

Os habitantes do Iona solicitaram uma viatura para o posto policial da comuna e pediram a construção de um posto veterinário na sede, já que têm perdido muitos animais por doença.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: