Luanda - O regresso a Angola dos restos mortais do general angolano Arlindo Chenda Pena "Ben Ben", 20 anos depois de ter morrido num hospital na África do Sul, é "um momento muito reconfortante para a família", disse hoje o irmão do militar.

Fonte: Lusa

Araújo Cassique Pena falava aos jornalistas horas antes da chegada dos restos mortais do seu irmão mais velho ao aeroporto militar de Luanda, onde será recebido com honras militares.

"Vinte anos depois é muito reconfortante ver uma mãe que perdeu três filhos em circunstâncias trágicas ver um deles ser sepultado na sua terra natal [Lopitanga]", disse Araújo Pena.

O irmão do general "Ben Ben", atualmente deputado da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) na Assembleia Nacional Angolana, lamentou que só agora duas décadas depois tenha sido possível trasladar o corpo, mas admitiu que quer a guerra civil quer as divergências políticas entre a UNITA e o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) tenha inviabilizado a transferência do corpo.

"A minha mãe escreveu ao Presidente João Lourenço a fazer esse pedido e João Lourenço ajudou a tratar de tudo, em colaboração com o Governo sul-africano, com a UNITA e com a família", afirmou.

No entanto, destacou Araújo Pena a própria mãe fez no passado vários pedidos nesse sentido ao ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos e que nunca obteve qualquer resposta.

"Foi o silêncio", frisou, acrescentando que a maior homenagem que se pode fazer é à própria mãe pela insistência no pedido de trasladação junto das autoridades angolanas.

Araújo Pena esclareceu que o irmão não foi morto em combate, lembrando que partiu de Angola para África do Sul já doente e que acabaria por falecer num hospital sul-africano.

Questionado pela Lusa que doença tinha "Ben Ben", o irmão respondeu que desconhecia e que nunca teve acesso quer à causa da morte, quer dos relatórios de diagnóstico que foram feitos na África do Sul.

"O corpo está preservado e bem tratado. Vimos fotografias que nos deixaram reconfortados. Houve um tratamento digno [por parte das autoridades sul-africanas]", reconheceu.

O corpo de "Ben Ben", por se tratar de uma alta patente militar foi após a morte embalsamado para que mais tarde houvesse a possibilidade de o corpo ser entregue à família de forma "digna".

Após a chegada a Luanda, onde será recebido com honras militares, o corpo será transportado para as instalações do regimento de infantaria 20, onde será velado e permanecerá até sexta-feira de manhã para, às 09:00 locais ser prestada uma homenagem pelo Governo, pelas Forças Armadas e demais organizações partidárias e da sociedade civil.

Após o ato, o corpo será transportado de avião para o Cuito e depois para o Andulo.

O corpo do então vice-chefe do Estado-Maior das FALA, exército liderado na altura por Jonas Savimbi, o presidente da União nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), estava sepultado no cemitério de Zandfontein, em Pretória.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: