Lisboa – O Sindicato dos Médicos de Angola (SINMEA) queixa-se ter sido alvo de censura por parte da TPA, ao recusar passar nos seus espaços de notícia, o anuncio de uma greve dos trabalhadores do sector da saúda marcada para este mês de Novembro.

Fonte: Club-k.net

“Paulo Julião e Kieza Silvestre  censuraram o nosso  fórum"

A SINMEA, segundo apurou o Club-K, realizou sábado (3), em Luanda, um fórum para abordagem e esclarecimento da marcada greve na qual contou com a cobertura da RNA, TV Zimbo e TPA. Entretanto, dos três órgãos de comunicação presentes ao evento, a TPA foi o único que não fez nenhuma menção sobre a greve nos seus noticiários dando azo as acusações de praticas de censura.

 

“Paulo Julião e Kieza Silvestre não permitiram que a televisão Publica de Angola passasse o nosso fórum. é coisa para dizer que os jornalistas da TPA ainda não compreenderam o novo rumo que o novo Presidente de Angola quer levar o país”, le-se numa mensagem distribuída aos associados da SINMEA, assinada pelo seu Presidente, Adriano Manuel.

 

A paralisação da actividade laboral está prevista a partir das 8h00 do dia 19 de Novembro de 2018 às 8h00 do dia 22 de Novembro de 2018 em todas as unidades sanitárias públicas sob tutelado MINSA.

 

Para o efeito o SINMEA, anunciou em comunicado assinado pelo seu Secretário Geral, Pedro da Rosa, que foi constituída por alguns membros, em cumprimento do estipulado no artigo 11° da lei n° 23/91, de 15 de Junho (Lei da Greve). Fazem parte da equipa de greve os seguintes membros:

- Sr Adriano Manuel
- Sr Pedro da Rosa
- Sr Domingos Zangão
- Sr Joaquim Tchicolo
- Sr Miguel Sebastião
- Sr Cândido da Silva
- Sr Nicodemos

Foto de arquivo: Administradores da TPA celebrando a vitoria eleitoral do MPLA



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: