Alemanha - Seu nome é Teka N ́tu e é um dos mais antigos angolanos residentes na Alemanha. Á luz do seu novo projecto político, apos uma breve passagem pela Aliança Patriótica Nacional-APN, de Quintino de Moreira, onde assumiu as funções de Secretário da Relações Internacionais e Director Adjunto da campanha eleitoral da APN nas eleições de 2017. De passagem pela Alemanha por razões familiares e de trabalho que o levará também esta semana á Portugal para depois seguir para Luanda, o Club-K aproveitou a oportunidade para uma breve conversa via Online.

Fonte: Club-k.net

Club-K: Senhor Teka N`tu, apois uma passagem pela UNITA e pela APN- Aliança Patriótica Nacional, decidiu empreender seu próprio projecto político, denominado ARDA, o que é ARDA?
Teka N ́tu: Antes de tudo muito obrigado pela oportunidade que o Club-K me dá em falar ao vossa ampla e importante plataforma de informação digital. Respondendo a pergunta de saída, a ARDA significa: Acção para o Reforço da Democratização em Angola.

 

CK: Já está registado como Partido Político? Quantos membros ou militantes tem efectivamente?
TN ́t: O Partido ARDA,está em processo da Legalização pelo Tribunal Constitucional, mas temos a plena confiança e a convicção de que o tribunal em causa, como órgão de bem ao serviço da nação, vai legalizá-lo. Neste preciso momento contamos com mais de 56.000(cinquenta e seis mil) militantes em Angola, assim como 18.000 militantes á nível da diáspora. Por conseguinte dizer que já estamos representados em 9 provincias de Angola.


Na diáspora estamos representados em países como África do Sul, RDC, Congo(Brazaville, Estados Unidos da América, Canadá, Brasil e na Europa contamos principalmente com representantes e membros filiados na Alemanha, Bélgica, França, Holanda e Reino Unido.

 


CK: Os últimos projectos político-partidários que têm dado entrada no Supremo Tribunal, têm sido recusados, ainda assim, não teme que isso venha a acontecer com a ARDA?
TN ́t: Não, não tememos, porque como disse o Tribunal Constitucional é um órgão de bem e ao serviço da nação e nós fazemos parte desta nação angolana e o nosso objectivo é justamente o de reforçar e diversificar o processo de democratização e de transparência em curso no nosso pais. Por isso temos fé que se façam cumprir e se respeitem a lei vigente em Angola. E não esquecermos que o lema do partido que governa Angola, retomado pelo Presidente da República João Lourenço, ainda é “ Corrigir o que está mal e melhorar o que está bem”.

 


CK: Qual é o enquadramento ideológico da ARDA, ou seja onde a enquadra, é de centro, esquerda, directa ou quê?
TN ́t: A ARDA é uma iniciativa há muito almejada pensando num povo faminto, carente, cheio de lagrimas de sofrimento e de tristezas, com um quotidiano marcado por elevadas taxas de mortalidade, principalmente infantil, pobreza, miséria, espanto, injustiças e fracassos. Tudo isso, fez com que sua nova direcção, sob minha liderança, enveredasse ou apostasse por idéias e pensamentos inovadoras no intuito de resgatar para este povo, acções credívei resumidas na simpatia, familiarismo, irmandade, tranquilidade, esperança e soluções urgentes para todos os problemas com os quais o povo se confronta.

 


CK: ... Não respondeu a minha pergunta...
TN ́t: Sabe uma coisa irmão, essa coisa de copiar tudo do ocidente fez-nos pagar uma factura muito alta durante a devastadora guerra civil que durou quase 4 dècadas, tudo isso devido aos alinhamentos supramencionados. A ARDA não quer caír nesse erro de alinhamentos ideológicos, por isso o nosso alinhamento, se assim quisermos chamar, é primeiro a nação angolana e o angolano.

 


CK: Que papel joga a juventude nesse seu projecto? Como avalia a aderência da diáspora angolana espalhada pelo mundo em particular a residente na Alemanha á este projecto?
TN ́t: Se avaliarmos com toda a honestidade o papel que a juventude angolana jogou principalmente nos últimos 3 anos, com destaque ao Movimento Revolucionário, que alguns chamam de “Revús”, então não me resta outra coisa senão, apostar na juventude pois neles reside o éxito do presente e a certeza do amanhã. Isso se reflecte na juventude residente na diáspora sempre que abordo com eles sobre a ARDA, há um sentimento de solidariedade e aderência. Daí as minhas constantes deslocações ao exterior do país e numa fase posterior e quando o partido for reconhecido oficialmente pelo Tribunal Constitucional, então passarei a ser acompanhado nas minhas deslocações tanto no interior como fora do país, por representantes desses escalões.

 


CK: Qual é o grau de afluência de aderentes e militantes da ARDA em Angola e mesmo na Alemanha, já que viveu lá muito tempo?
TN ́t: A ARDA é um partido fundado na Alemanha com forte afluência dos angolanos da diáspora e continuamos a pedir ao executivo angolanos dirigido por Sua Excelência o Presidente João Lourenço, no sentido de, junto com e estreita colaboração da Assembleia Nacional, permitir em 2022, o exercício do Direito ao Voto para todos os angolanos residentes na diáspora, conforme previsto na Lei Magna de Angola, a Constituição. Ao fazer isso, ele entraria na história de Angola, como o viabilizador e o facilitador deste Direito, sucessivamente negado pelo Presidente anterior. E devo dizer que a ARDA está preparada para mobilizar a diáspora, como vimos fazendo até agora, a participar das próximas Legislativas de 2022.

 


Perfil: Teka N`tu é formado em Criminologia. Como político activo há 32 anos, foi entre outros Coordenador do Comité da UNITA no estado da Renânia Vestfalen na Alemanha, num período em que os Representantes oficiais daquele partido na Alemanha eram Andolosi Alicerces Mango e Ernesto Joaquim Mulato, no período compreendido entre 1987 á 2002, respectivamente.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: