Luanda - Os restos mortais do líder fundador da UNITA, abatido na guerra civil angolana em 2002, só serão exumados provavelmente em 2019, disse hoje à agência Lusa o porta-voz do partido do "Galo Negro".

Fonte: Lusa

Alcides Sakala, que falava a Lusa à margem da IV Reunião da Comissão Política da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), que começou hoje e termina domingo de manhã em Viana (arredores de Luanda), salientou, porém, que estão a decorrer discussões entre o partido e o Governo para a definição de um calendário para a operação.

 

Em agosto, na sequência de uma reunião inédita entre o Presidente de Angola, João Lourenço, e o líder da UNITA, Isaías Samakuva, o chefe de Estado angolano garantiu o "empenho pessoal" para que o processo de exumação dos restos mortais de Jonas Savimbi ficasse concluído ainda este ano.

 

O ano já está no fim, naturalmente. Mas o importante é que as discussões continuam. Estas condições criadas para o efeito têm vindo a aproximar pontos de vista. […] Vai-se definir um quadro de passos que têm de ser dados e pensamos que, no início do próximo ano, poderemos apresentar eventualmente um cronograma quase definitivo deste processo", disse hoje Alcides Sakala.


As duas comissões de trabalho, uma da UNITA e outra do Governo, continuam com as discussões e, oportunamente, poderemos fazer o ponto de situação", sublinhou.

 

O líder "histórico" da UNITA nasceu a 03 de agosto de 1934, no Munhango, a comuna fronteiriça entre as províncias do Bié e Moxico, e viria a ser morto em combate após uma perseguição das Forças Armadas Angolanas a 22 de fevereiro de 2002, próximo de Lucusse, no Moxico, onde os seus restos mortais permanecem sepultados, à guarda do Estado angolano.

 

A exumação dos restos mortais de Jonas Savimbi insere-se no quadro da "reconciliação nacional" promovida por João Lourenço - Governo e UNITA mantiveram uma guerra civil de 27 anos (1975/2002) -, que já permitiu realizar idêntico processo, concluído com uma homenagem ao mais alto nível, a um alto militar do exército do "Galo Negro", o general Arlindo Chenda Pena "Ben Ben", em setembro.

 

"Ben Ben" foi comandante do antigo exército da UNITA, as Forças Armadas de Libertação de Angola (FALA), e, após a breve reconciliação concretizada em 1998, foi designado ex-chefe adjunto das Forças Armadas Angolanas (FAA), quando, no mesmo ano, viria a morrer devido a doença.

 

Os restos mortais de "Ben Ben" estavam sepultados num cemitério em Zandfontein, próximo de Pretória, na África do Sul.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: