Alemanha - Deixemos de fazer passar o nosso Povo a Fome, enquanto o Jantar está servido. Será que somos um Povo Livre e Soberano de mentira!...É mesmo uma Tarefa difícil dar dignidade ao nosso povo sofredor?

Fonte: Club-k.net

ImageAngola, como um grande País, com pouquíssimos habitantes, rico em variedades de Minerais, só para sitar o Diamante e o Petróleo, uma Terra fértil, recursos humanos sub-aproveitados, um País livre e independente, mesmo após 43 anos de Independência nacional, continua ainda adiada a nossa verdadeira independência nacional por vontade e capricho de alguns.

 

Quanto tempo ainda teremos de esperar e por quê? O Homem na direcção dos destinos dos angolanos, nem sequer sabe por onde começar. Uma País sem visão política, sem nenhum plano de emergência para atender o clamor dos necessitados! Para o Senhor João Lourenço, 43 anos lhe parecem como se fossem 43 semanas..., vamos fazendo!...Porque „o Milagre não existe“ Jesus Cristo já morreu a muito tempo. Que coisa é essa?!...Cristo morto? Não Senhor Presidente, o Cristo é a Pedra da Esquipa ignorada pelos Construtores. Cristo é o único Fundamento em que tudo deve ser constituído e reposar, porque ele é o Poder e a Sabedoria de Deus. Agora interrogo-me é salutar e aceitável o Senhor João Lourenço, estar a frente de mais de 80% da população angolana que constitui o povo Cristão de Angola, isto é que acredita que Jesus Cristo vive e viverá na eternidade? E estes são a verdadeira reencarnação de Cristo Vivo. Se quiser descobrir o Cristo.

 

É isto, que queremos em Angola, Gente? Temos de ter coragem de parar esta forma absoluta de encarar os verdadeiros problemas deste povo sofredor e consequentemente, lançar o verdadeiro Projecto de desenvolvimento de Angola, porque o nosso problema, não é o Ex-Presidente da República, Senhor JES. Também nao é o Dinheiro Roubado, nem é o Próprio JLO. O nosso Problema maior é reconhecer „a Cristo“ que parece para uns estar morto. Por outra a não existência de um Projecto de Angola para o desenvolvimento, saído de uma reconciliação nacional, onde todos possam dar sua modesta contribuição, um Projecto de consenso nacional. A nossa palhaçada forma de governar este país e com o Senhor Joao Lourenço a cabeça, não nos levará a lado nenhum. Os discursos que temos ouvido a um ano, camuflados de ódio e reservismo individual que nos divide e discriminando alguns denominando-os de „Marimbondos“ coloca a nossa alcançada paz e estabilidade em risco incontrolável, tendo por base, como é óbvio, os protestos de Combate a Corrupção, que no fim de contas, nada tem haver com angolanos da Angola profunda.


Os angolanos necessitam com urgência um país próspero, que os dignifique, para se viver em paz na diferença. Agora, Senhor José Eduardo dos Santos, ou Dinheiro desviado, Ma governação, o Dr. Savimbi como Homem de Guerra, Unita, e hoje Corrupção institucionalizada pelo próprio Mpla, como base da nossa desgraça, tudo isso é tratarmos um falso problema. O Próprio Mpla cometeu tantas atrocidades ao longo da nossa historia, ontem tudo estava bem e hoje não seria justo ser ele a nos dar lição de moral sobre o que está correcto e justo neste País.


Eu apelo para nos perdoamos incondicionalmente; O que passou, passou... reconheçamos os nossos erros para fechar este capítulo e iniciarmos um novo capítulo, uma nova vida. Porque ninguém está sem culpa no Mpla. Na História do Mpla, não seria justo julgar ou condenar alguém por má Gestão. Maus gestores foram tantos. Por isso temos o país que temos. Tantos enriqueceram de dia para noite, aproveitando-se de cargos Públicos. Vamos levar todos para as Cadeias? Levar alguns e deixar outros soltos?


Naturalmente, corrigir o que está mal e melhorar o que está bem, olhando para o futuro e não para o passado..


O único nosso grande problema é ganhar coragem para construirmos um país que queremos todos e não só de alguns ou de JLO. Dinheiro desviado do erário público nao vai resolver os nossos problemas essenciais, enquanto o nosso país é governado como se fosse uma República de Bananas.


Deixem os que governaram mal em Paz. Porque, senão ninguém escapa, e a nossa tranquilidade está em jogo. Não é isto que precisamos em Angola. Uma está bem confusa, a luta contra Corrupção senão, a necessidade de redefinição em Angola, da palavra „Corrupção, no seu entender, para o Senhor Joao Lourenço. Porém, corrupção tem que ser chamado corrupção. Assistimos aqui uns são combatidos, outros para as cadeias, enquanto outros são protegidos e outros transformados em agentes de justiça de combate a corrupção, é um paradoxo.

Entretanto, necessitamos de modernizar ou civilizar esta palavra corrupção. Por que, é muito natural possuirmos a legitimidade que a natureza dos factos nos oferece, para aceitar certa realidade indiscutível. Exemplo: se eu usar o estatus que meu Compadre possui, como funcionário do Banco; e solicitar-lhe para que, use o privilégio que possui como director, para facilitar o processo de financiamento Bancário de uma Casa no Zango III, onde a minha Filha mais nova, tem processo de um crédito bancário; Por outra, os angolanos chamam de cabritismos, em determinados cargos, se eu, usar as faculdades que me são conferidas, ajudando para tal, minha familia que está toda a sofrer. É absurdo, negarmos este facto que isto acontece com naturalidade em toda a esfera da nossa vida quotidiana em Angola. Naturalmente a Lista é grande. Outros se contentam com um Ramo de Flores, como forma de agradecimento, pelo favor feito. Outros, basta uma garrafa de Vinho Tinto e outros apenas começando com uma viagem a Dubai ou Portugal. O resto não precisamos falar. O Peixe Grosso, recebem comissões de vendas do Estado, seja Petróleo, Gás, Diamantes etc. Assistimos muzimbos de que governo de Senhor Joao Lourenço, retira projectos atribuídos a uns para entregar a outros com argumento de passar por um concurso publico. Duvido, que isso tenha alguma honestidade no tratamento de determinados processos desde a entrega, análise e decisão das propostas feitas pelos interessados, num país como o que temos, o amigismo, não seja acionado. Por isso, todo este trabalho, não ajudará aqueles autóctones sofredores, que teoricamente queremos ajudar. Tráfego de Influências através de Marketing de Lobbis não se pode ignorar. Por que é um instrumento poderoso. Pelo que deve ser simplesmente ponderado com políticas legais reguladoras.


O tratamento pouco abonatório do Senhor João Lourenço em relação ao Ex-presidente da República Eng. JES é lastimável. A verdadeira reconciliação nacional adiada, que os melhores avisados patriotas, esperam neste país, estou em crer, falando de toda a oposição politica nacional, com certeza nunca tinha sido estratégia politica de nenhuma formação política, uma vez que ascendessem democraticamente ao poder; quisessem desmontar o Presidente da República cessante até a este nivel, como tem sido tratado o Senhor José Eduardo Dos Santos pelo seu próprio Mpla. Porque Senhor JLO, representa o próprio Mpla. Sobretudo, para os políticos que defendem a verdadeira reconciliação Nacional. Este é um mau exemplo para o país e para Africa. Presidente Dos Santos, não foi nenhum „SANTO“.Todos nós, sabemos bem disso. Suas Falhas cardinais são conhecidas. Mas, um Homem na sua estatura, se buscamos uma verdadeira reconciliação nacional, não mereceu este tratamento que está lhe sendo dado, e como se não bastasse, vindo do seu próprio partido e de um Homem de confiança entre tantas opções de sucessão, que estiveram disponíveis durante décadas. Com certeza, não foi fácil para Presidente Dos Santos. Mas, aprovou aos angolanos, a Africa e o mundo, a sua coragem e maturidade, para saltar sobre a sua própria „Sombra“, para dar o sinal demonstrado, abandonando assim, o Poder para outros. Pelo que, mereceu a nossa consideração profunda e respeito neste sentido. Também aceitou que, não tenha feito tudo correcto, pelo que merece ser perdoado por todo nós. Pelos vistos o que lhe falta é ser levado para as cadeias. Porquanto, estas são as razões de fundo, porque muitos Presidentes africanos se tornam ditadores, agarram-se ao Poder com medo de represálias ou mesmo de serem Mortos como temos acompanhado em alguns países. Em troca de lealdade, não me recordo Presidente dos Santos ter desafiado com palavras ou actos em algum pronunciamento público contra Dr. António Agostinho Neto. Bravo. O Nosso muito respeito pela pessoa Senhor JES neste sentido. Embora, o povo angolano, tem ainda contas a justar com a sua História, com o Imortal Presidente Neto, responsável pelo genocídio de guerra Civil de cerca 30 anos, após independência nacional, que nos foi imposta. Porque, ele e a sua direcção, assim o quiseram, necessariamente sacrificar o nosso povo, na troca de poder pela força das Armas. Criando o ódio, instigando separação tribalista, o Secterismo, calunia contra outros Movimentos de Libertação Nacional, como sua estratégia macabro. Só para conseguir ganhar Luanda e consequentemente Proclamar unilateralmente a independência nacional da Angola a 11 de Novembro 1975. Se o Senhor João Lourenço, não é leal com o Presidente dos Santos duvidasse que o seja com o povo angolano que ele deseja servir.


A Situação económica de Angola, 43 anos de independência é uma contradição vergonhosa com projecção de uma meta de produção de cerca 2 Milhões de Barris diários em quase ja passados duas décadas de desenvolvimento e investimentos no sector Petrolífero, que nunca é atingido para se ultrapassar a Nigeria. Por outra sabemos alguns nacionais no sector Petrolífero privilegiados ficam com uma produção que não entra nas estatísticas do Estado angolano. A Pergunta é o quê estamos a fazer de verdade neste país? Quando os angolanos beneficiarão de verdade das riquezas deste país? Quando teremos um país Construido com todas as infractruturas com escolas e hospitais para todos? Quando haverá assistência social para os de pouca renda? Quando teremos Auto- estradas, caminhos de Ferro em todo país, linhas Metros, quando o angolano deixará de viver em cubanas ou casebres e ter Pão, Leite e Mel de verdade?


Divida Pública: Salários de Função Pública, uns mal pagos outros com atrasos consideráveis. Parceiros do estado no sectores de prestação de Serviços, como Empresários Nacionais e Estrangeiros divida acima de Dez Mil Milhões de Dólares,

a)- A Divida com a China desconhecida na sua realidade total.


b)- Antigos Combatentes reclamando direitos que é só dado para alguns, porque a verdadeira reconciliação nacional é adiada, que seria o único Instrumento capaz de servir todos com base a justiça,


c)-Queremos novos Investidores em Angola, enquanto deveríamos pagar primeiro, a divida pública e depois convidar novos Investidores, que paradoxo.


Se os Primeiros Investidores, não conseguimos paga- los como podemos esperar outros Investidores?


Cofres Vazios, é possível com a Riqueza que temos em 16 anos de Paz, o pais se encontar com cofres vazios? Presidente da República, voa em visitas de serviços Internacinalmente um moderno Aviao Luxuoso, mas os nossos cofres foram encontrados vazios?!... Mesmo que tivessemos 15 Mil Milhões de reservas Liquidas é lastimável se os menos vulneráveis devem esperar para dias melhores é muito melhor desde ja, para aqueles que esperam Milagre económico em Angola, tirar já o Cavalhinho da Chuva“. Também eu não acredito que os 3,7 Mil Milhões de Dolares recentes de FMI, levarão os angolanos a lado algum.


Grande País na dimensao de Angola, olhando pela riqueza que temos e pelo que temos de fazer para tirarmos o nosso pais do subdesenvolvimento, este esforço é muito diminuto. Vai servir para pagar quantos meses da Função Pública?


O Pior de tudo é quando, ha um plano Internacional de desenvolvimento pre-definido pela política de FMI como afirmou a Senhora Lagarde: 3,7 Mil Milhões é o maximo que se da a países africanos, que desgraça.


Se pode realmente comparar-se o Potêncial económico de Angola com outros Paise africanos?. Não temos nós um contexto político e económico apenas nosso para Angola? Por isso, a resposta só se encontra em duas opções:
A primeira, Eu Sou é o único que deve ser esperado em Angola. Eu Sou é o caminho certo. Porque Feliz é a Nação cujo Deus é o Senhor. O nosso Problema, nao é que alguém seja culpado, porque culpados encontraremos a vida toda, se não ouvirmos a voz de Deus.
A Segunda opção: Um Plano de Desenvolvimento Nacional de Consenso, só esta é a via.
Retorno de Capitais para Angola: Baseada numa reconciliação Nacional verdadeira que desse lugar a uma Governação digna neste país, com uma política econômica nacional nos parámetros Internacionais, Reforma Monetária e Cambial com pés para andar, Adopção de uma política definida de incentivos para atrair Capitais estrangeiro para Angola, de modo típico de concorrência, melhorada em relação com Países ja existentes de o ases Econômicos ou Paraísos Fiscais, como estratégia nossa.


Eu acredito, o regresso de capitais de nacionais angolanos e inclusive de estrangeiros que queiram encontrar „Ninhos“ seguros para guardar seu Dinheiro, que vá de acordo na protecção regulamentada internacionalmente, e independência fiscal, sempre no contexto de nossa soberania nacional, que criaria politicas adequadas neste sentido. Estou convicto, não necessitaríamos amarar cordas no pescoço de quem tem dinheiro para trazer-lo devolta para o país.. Isto vai ocorrer automaticamente.


Agora, colocarmos a carroça enfrente dos Bois, isto não vai dar certo. Ninguém tem o direito de tirar o meu Dinheiro mesmo que seja roubado, desde que nem sequer se pode aprovar que o mesmo seja roubado e obrigar-me a trazer-lo para um país como Angola onde a política monetária sobretudo cambial é determinada pelas Quingilas na rua. E para comprar ou transferir um Dolar, de Angola para o estrangeiro, tenho que namorar com o Governador do Banco Nacional. Embora sabemos bem que todos roubaram. Todavia, devemos primeiro criar Instrumentos reguladores apropriados para conter o caos que temos. Porque o país não está governável nestes modos.


Minha Proposta imediata e concreta para Angola é a demissão imediata do Presidente JLO.

Primeiro as Instituições de direito, devem parar o Joao Lourenço. De outro modo a sociedade Civil e a oposição política nacional, devem tomar este assunto em mão.
Precisamos com urgência de uma Angola colocada nos carris e não no contexto actual, fora dos carris. Isto é mesmo que nao fazer nada. O País deve ter um rumo de consenso nacional.


Angola está a caminhar absolutamente mal, nao sei quanto tempo se deve dar ainda a PR Joao Lourenço.

Proposta imediata


1)- É se dar Poder a uma nova figura nacionalista credivél para Dirigir uma Transição Política, com mandato definido. Eleições gerais Antecipadas ou por indicação através de consenso político. Eu por exemplo, estaria disponível para este desafio nacional, mesmo que seja para uma transição política organizadora de dois anos, para tirar o país de onde está agora. Angola não tem dumo nenhum, continuamos estagnados onde estivemos a 42 anos. E quando o Senhor JLO se for embora teremos novamente Cofres Vazios.


2)- a Criação de um Governo de Transição política de Unidade Nacional, onde todas as forças vivas do país, sejam integradas.


3)- Definir a Nação Angolana, porque como a titulo de exemplo, em Cabinda ainda temos Guerra e as Lundas reclamam por Autonomia ou uma Federação. É uma vergonha de que, o grito do povo Cabinda seja ignorado até hoje num país, em que se diz viver em Paz e Reconciliado.

4)-A Realização de uma Comissão da Verdade e da Reconciliação Nacional para Angola.


5)- Este Governo deve ter um Plano Marchal de Reconstrução Nacional definido, saido de uma Resolução de um Consenso Nacional, da Comissão de Verdade e Reconciliação Nacional adiada, após Guerra Civil fratricida em Angola que durou cerca de 30 anos, que deve ter como objectivo a Reposição da nossa Verdadeira História como uma Nação composta de vários Povos, incluindo os Criolos e outros como antigos Sipaios coloniais deportados e agentes da PIDE-DGS, continuam ai entre nós, com quém temos de conviver se quizermos ser uma Nação multi-racial e Multi-cultural.


Necessitamos de uma resolução Que descreva bem e defina que tipo de país queremos ter, quantos valores financeiros e Humanos necessitamos mobilizar para implementar este Plano.


Definir quantos Dinheiros necessitamos, como vamos financia-los, aonde vamos buscar este Dinheiro, para quanto tempo e quém devem ser os nossos verdadeiros Parceiros de confiança nesta impreitada. Isto só é possivel com um país reconciliado de verdade. Só com o Mpla no poder, não vamos a lado nenhum. A Verdadeira Reconstrução Nacional adiada, a Verdadeira democratização das Instituições do Estado e a Política para as Autárquias é o exemplo concreto de ma vontade política para este país, que nos faz de Refens de alguns.

6)-Reajustar a Constituição da República com a Lei Eleitoral e seus Órgãos Eleitorais. Nós a oposição política nacional parece-me estarmos adormecidos, esquecemos totalmente, a violação massiva das eleições de 23 de Agosto de 2017 que colocou João Lourenço no poder. Não creio que as próximas eleições serão diferentes, com esta pacividade sem revisão sistemática e obrigatória da Lei e dos Órgãos eleitorais.


a)-A Redefinição da Eleição do Presidente da República e o Parlamento nos modos de convenções Internacio- nais,


b)-A Integração de duas Câmaras, a de Constituintes e a de Conselho da República que integre e represente a Nação Angolana no seu todo, e que, por sua vez, deverá ter a responsabilidade de supervisionar, autorizar ou revogar as resoluções de Leis Propostas pelo Parlamento e etc...

c)- a Criação de uma Entidade Eleitoral Independente que supervisione a Comissão Nacional Eleitoral Independente definitivo (CNEI).


d)-Terminado o Tempo que deve ser Determinado para o Governo de Transição, devem ser organizadas novas eleições gerais inclusiva para todas as forças políticas por igualdade de direitos e deveres, incluindo as Autárquicas para todo o Território nacional e não como se prevê actualmente, continuarmos a fazer brincadeira de Governar, gradualismo aqui e acolá, um país que deve ser Governado com responsabilidade tendo em conta a sua dimensão Territorial, seus povos e riqueza que possui no Continente Africano, bem como no contexto mundial. Porque aqui o medo é o risco de perder o Poder, ao invés de velarmos para o desenvolvimento sustentável do país, usando como escudo o sacrifico de milhões angolanos pobres.


Porém, no fim para além de várias Rubricas que deverão sair da Resolução da Comissão de Verdade e Reconciliação Nacional, a Nação e todas as forças políticas do país, deverão se comprometer.

Seja quém fosse eleito no futuro para Governar o País, seu plano de acção nunca deverá se desviar do Plano Central Marchal Nacional de Desenvolvimento, traçado pela Resolução da Comissão de Verdade e Reconciliação Nacional.

Por exemplo: Um plano de execução com duração de 100 anos de Desenvolvimento para Angola.


Tenho Dito, Falei-te Angola, muito obrigado.

Reverendo Dr. Feliciano de Carvalho Loa.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: