Luanda - Os familiares do cidadão que em vida chamou-se Oliveira de Matos (foto), espancado até  a morte por agentes afectos a Divisão de Polícia do Cazenga prometem levar a corporação as barras do Tribunal.


* Coque Mukuta
Fonte: Radio Despertar

A informação foi avançada pelos familiares do malogrado quando acompanhavam até  a última morada daquele que em vida chamou-se Oliveira de Matos.


Os restos mortais de Oliveira Matos repousam no Cemitério Municipal de Viana.


A problemática dos excessos atribuídos aos agentes da ordem, afectos a polícia, foi o tema discutido, esta manhã em mais um espaço de parlamento público desta estação emissora.


O auditório Despertar, condena a prática por parte de alguns agentes afectos a corporação, ao mesmo tempo que se mostra chocado com o recente acto de espancamento de um cidadão até a morte numa das celas da terceira esquadra da divisão de polícia do Cazenga.


Os parlamentares, exigem mais respeito aos direitos fundamentais do homem.


Aqui os participantes ao parlamento público desta manhã  que se debruçaram sobre os excessos praticados pela Polícia do Kazenga.


E o jurista Salvador Freire ao serviço da Associação cívica “ Mãos Livres” reconhece exageros por parte dos homens da farda azul e avança que todas as formas de torturas são passíveis de processos disciplinares e criminais.


O jurista diz igualmente que o estado deve assegurar a formação da corporação com vista a travar situações que ferem a lei e os diplomas internacionais sobre direitos humanos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: