Luanda - O director do gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da Delegação Provincial do Ministério do Interior (Minint), intendente Mateus Rodrigues, reiterou hoje o apelo aos cidadãos, para solicitarem escolta quando transportarem avultadas somas monetárias.

Fonte: Angop

O apelo surge na sequência de um assalto à mão armada contra um cidadão, ocorrido esta tarde, na zona do Zé Pirão, Distrito Urbano da Ingombota, em Luanda.

 

A vítima, baleada na perna direita por elementos ainda não identificados, estava apeada depois de ter levantado sete milhões de kwanzas numa agência bancária.

 

Segundo testemunhas ouvidas pela Angop, o cidadão foi surpreendido pelos assaltantes, em número não determinado, que se faziam transportar numa viatura, tendo recebido os primeiros cuidados médicos numa clínica próxima ao local da ocorrência.

 

Em declarações à Angop, Mateus Rodrigues recordou que os serviços de escolta podem ser feitos pela Polícia Nacional ou por empresas especializadas em segurança privada.

 

Declarou, sem vincular à ocorrência desta tarde, que alguns cidadãos são feridos ou mortos pelo país, porque reagem durante os assaltos.

 

"Os protagonistas de assaltos vêm munidos de armas de fogo ou branca e sob efeito de drogas", realçou, sugerindo às vítimas para entregarem os bens solicitados pelos assaltantes e nunca engana-los ou tentarem reagir.

 

Os casos de assalto à mão armada têm sido frequentes em algumas zonas da cidade de Luanda, que registou, nos últimos 12 meses, um aumento do índice de crimes, com um total de 27 mil e 65 ocorrências, segundo dados da Polícia Nacional.

 

Os números da corporação apontam para um aumento de 15 mil e 517 crimes diversos em relação ao mesmo período de 2017.

 

Dos 27 mil e 65 crimes, detalha um relatório da Polícia, 12 mil e 546 foram esclarecidos, tendo sido detidos, no mesmo período, 15 mil e 86 cidadãos.

 

Nos últimos três anos (2016, 2017 e 2018), Luanda registou um total de 47 mil e 989 crimes, sendo que em 2016 foram nove mil e 376 crimes, dos quais dois mil e 205 esclarecidos. Nesse período (2016), foram detidos três mil e 954 cidadãos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: