Holanda - Sabemos que a história repete-se, nós da Diáspora, somos a luz acreditável para nossos compatriotas angolanos que não tiveram nenhuma possibilidade de viver em estrangeiros e especialmente em países democráticos. Um indivíduo na Diáspora representa muita voz (votos), ao país pelo que os nossos compatriotas no país, confiem e acreditem em nós. Os líderes da liberação do nosso país eram se não todos, então um número bastante elevado, de entre eles,   são produto da Diáspora.


Fonte: Club-k

JES: A elite controla tudo, e ele
detém os meios de defesa mais sofisticados

Mario Andrade, Agostinho Neto, Jonas M. Savimbi, Holden Roberto… Eles da diáspora não eram?


Devemos ter o espírito patriótico, acordamos, unimos – nos e juntos procuramos de nos libertar do abismo do qual nós somos todas as vítimas. Devemos evitar de cair a méis que nos apertam estes líderes para perpetuar no poder, Deixemos de nos dividir e deixemos de nos contradizer. Apesar das nossas diferenças de opiniões, devemos defender todos, um único objectivo.


Só assim, estaremos a nos livrar (libertar) da ditadura de Sua Exa. Eng. Eduardo Dos Santos. Este é o interesse principal para as gerações futuras.


Isso que alguns acham impossível hoje, pode ser possível amanhã. Porque eles dizem que Sua Exa. Eng. Eduardo dos Santos, a elite controla tudo, e ele detém os meios de defesa mais sofisticados. Lembramos de Goliath contra David. Goliath o gigantesco, sendo o mais forte, era derrubado através de meios pouco sofisticados, e irrisórios por David bastante pequeno.


Sem citar nomes, o último século era catastrófico e em propósitos trágicos para vários ditadores apesar do reinado deles, abusando do poder durante um ou várias décadas. Isto, com a cumplicidade de proprietários de fontes que em troca foram obrigadas a se render e decidir o fim do apoio deles.


Hoje, o sentimento de desespero no seio das comunidades angolanas em países e no estrangeiro está fundir e pode se transformar facilmente em sentimento de revolta que pode regenerar conflitos que podem pôr uma vez mais em perigo a paz conquistada ao preço mais forte e confere nossa economia ascendente.


Não tenho medo nenhum, porque esta fraqueza faz com que encorajemos a elite a permanecer no poder.


Mas, devemos saber que ele não conseguirá matar todo o mundo. Nós temos que ousar para alcançar o nosso objectivo. Senão nós continuaremos a se humilhar por uma manivela dos indivíduos, dizendo "angolano" mas sem espírito patriótico e sem caridade.


Nós somos todos angolanos, a realidade de nossa história faz com que nós vivamos juntos, na diversidade e num espírito de tolerância sem discriminação de raças, religiões, de sexos etc.


Mas, é todo o mesmo chocando para ver as pessoas, de origem não são angolanos, em quem o povo angolano confiou, apesar da dúvida na origem deles e em aquisição da nacionalidade angolana, por abuso do poder e por arrogância, continue humilhando o mesmo povo, que tanto sofreu e pagou ao preço mais forte a conquista da paz militar desta nação que é Angola.


Hoje o povo angolano precisa  de achar a dignidade perdida durante décadas, estabelecendo um estado de direito onde todo cidadão beneficiará de instituições republicanas saudáveis e leais para a sua segurança, a sua sobrevivência e o seu desenvolvimento humano. Isto pode ser feito em aplicação das regras da democracia.


Deixemos de ser crédulos e cúmplices da elite no poder em nosso país. " Um ser humano pode dar ao outro ser humano, só aquilo que ele tem ". Nós queremos um estado de direito, governado através de regras iguais para tudo e por líderes honestos, responsáveis e não corruptos.


Nós queremos um exército que nos defende contra as invasões estrangeiras, uma polícia que proteja a nós contra os menos da lei, uma justiça que nos assegura uma arbitragem justa e sensata.


Então, podemos dizer que o regime actual em Angola nosso país, tem a cultura da democracia? Estes líderes estão prontos para democratizar as nossas instituições sem por-passar todas estas regras na própria vantagem, sem esconder suas verdadeiras intenções?


Em primeiro lugar, Angola desde 1975, é administrada pelo MPLA, até hoje este partido não fez nenhuma prova da democratização interna.  O MPLA, é incapaz de aplicar as regras da democracia dentro do próprio partido, como pode  aplica - lás para à nação?


Devemos deixar de ser estúpidos e ignorantes porque o MPLA é um partido político dirigido por um ditador, chamado José Eduardo dos Santos, que também é o presidente de Angola sem mandato do povo angolano, há três décadas.


Ele se fez rodear por elementos da mesma plumagem, administrando a nação inteira como o seu domínio privado e da sua família. Isto, estabelecendo os sistemas complexos e ditatoriais ao detrimento do seu povo. Ridicularizando às regras elementares da democracia.


Estando além disso distraído, o presidente da república Sua Exa. Eng. Eduardo Dos Santos já nos alertou que ele não tem nenhuma cultura de democracia e que não pretende democratizar o nosso país, porque não é a solução, mas ele sofre a pressão dos financeiros citando: " a democracia não enche barriga " " A democracia nos é imposta" lembramos disto. Devemos deixar de ser crédulos.


A elite ao poder no nosso país contorna as regras da democracia, para decisões políticas, ele usa direitos da maioria, minimizando, ver desacreditados os direitos da minoria. Para impedir a liberdade de expressão dos cidadãos e esconder as apreensões arbitrárias, ele usa condenações por difamação. Há mais exemplos que eu não cito aqui.


Secundariamente, nós podemos, permita dizer que o problema actual de Angola é a presença de Sua Exa. Eng. Eduardo Dos Santos na cabeça da nação. Além disso certos dirigentes e sócios da sua formação política (MPLA), não concordam com ele, mas eles sentem – se impotentes.


Ao contrário do facto que pensa o MPLA, Angola, para sua estabilidade política precisa de três partidos políticos tradicionais: FNLA, MPLA, UNITA e mais outros. Assim, não é desejável para liquidar a oposição ou os líderes dela, porque eles pertencem à riqueza política do nosso país.


Desde que sua Exa. presidente Eduardo Dos Santos está no poder, ele está encima de tudo, é ele que administra tudo, mas todas as vezes que ele deu o luxo para descarregar os ex. primeiros-ministros,   sempre se fez de inocente. E ele sempre endiabrou estes conquistadores e oponentes. Temos o dever de ser sérios, os nossos compatriotas no país precisam de nossa luz, Então dizermos todos sem medo e alto "Não, basta" a sua Exa. presidente Eduardo Dos Santos.


Mas, não podemos pôr todos os dirigentes do MPLA no mesmo saco. Nosso país também precisa desses líderes a quem  achamos capazes porque têm o espírito patriótico. Para a segurança deles, sejamos discretos em não citar os seus nomes, nem falar de contactos com eles, uma vez que eles deslocam - se para o estrangeiro.


Para os nossos compatriotas do MPLA na Diáspora, me permitam dizer que o MPLA, os usa, para ganhos próprios, depois dos resultados das últimas eleições legislativas, eu pensei que estes membros que fizeram um trabalho grande de mobilização e sensibilização de nossos compatriotas em favor do seu Partido, seriam recompensados. As suas contribuições seriam reconhecidas e as suas capacidades e inteligências seriam usadas para o desenvolvimento do nosso país.


Isto, nomeando eles para os cargo de responsabilidade em Angola ou no estrangeiro. Mas nós notamos que todos estes elementos são arrumados no mesmo saco. Eu sei que vocês estão no MPLA, não é por convicções políticas, mas por clientelismo (Cesta financeira). E não esqueçam que nós, directa ou indirectamente, somos todas vítimas do regime ditatorial de Luanda.
Este partido político (MPLA) finge reconciliar o nosso povo, todas as vezes, ele usa a regra de dividir para bem reinar" Além disso ele está à origem das divisões nos seios dos partidos políticos da oposição de nosso país, nos deixe citar UNITA e UNITA-RENOVADA para o caso, a desordem dentro do FNLA etc.


Me permita, eu sei que nós compartilhamos as mesmas opiniões (notificações), vocês moram quase todos em países democráticos e  deleitam muitas regras da democracia em seus países respectivos de residência. Nos deixe não ser egoísta, nos deixe compartilhar o pouco que  adquirimos com  o nosso povo.


Um chefe de família, procura soluções para quem sofre de doença ou outro tipo de sofrimento no seio da família. Adquirindo cuidado apropriado ou o consolando, se ele sente-se impotente.


Mas no caso de Angola nosso país, sem citar tantos exemplos de passado. Eu acho que A Sua Exa. Eng. Eduardo Dos Santos não merece o lugar (honestamente) de líder da nação angolana. Como explicar? Toda as vezes que há dramas dentro do país que requerem as suas decisões, Ele sempre permanece insensível. Me permita dizer que é incompreensível que A sua Exa. Eng. Eduardo Dos Santos não faz pronunciamentos sobre estas demolições que leva balanças trágicas para alguns de nossos compatriotas.


Nisto, meus compatriotas na Diáspora, Temos o dever patriótico, de que cada um leva a sua pedra para edificação de nossa nação, enfim de construir um estado de direito, livre do medo e da corrupção. Esta será a herança de nossas gerações futuras.


Quem compartilha as mesmas opiniões encima relatadas, antes de pertencer a um partido político, uma organização da sociedade civil angolana ou outro estatuto, primeiro somos todos angolanos, devemos ter o espírito patriótico e defendemos os nossos interesses comuns.


Os angolanos da UNITA, do MPLA, da FNLA...
Angolano em geral, Nos todos, diz: " Não basta " A sua Exa  Eng.Eduardo dos Santos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: