Luanda -  A Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) anunciou ontem, ao Jornal de Angola, a exportação de 8,5 metros cúbicos de etanol para a Europa em Abril, numa transacção avaliada em 3,5 milhões de dólares que configura a primeira do género na história do país.

Fonte: JA


A transacção decorre de um contrato assinado entre a Biocom e uma das principais produtoras europeias de etanol de alta qualidade, especialmente utilizado para fins industriais, declarou em comunicado a companhia angolana.


Toda a logística da exportação está a ser preparada no terminal da Sovinhos e da Unicargas no Porto de Luanda, com o apoio dos Ministérios do Comércio e da Indústria, “de forma a garantir que o embarque ocorra dentro da normalidade, cumprindo a legislação do país e com a agilidade que o cliente precisa”, afirma o documento.


Actualmente, a companhia possui uma área plantada de 24.090 hectares de cana-de-açúcar, onde em 2018 obteve uma produção de 73 mil toneladas do produto e 17 mil me-tros cúbicos de etanol.


“Estamos alinhados às políticas do Programa de Apoio à Produção Diversificação das Exportações e Substituição de Importações (Prodesi) e temos procurado dar o nosso contributo para a melhoria do ambiente de negócios”, afirmou o director-geral adjunto da Biocom citado no comunicado.


Esta é a primeira vez que Angola exporta etanol, destacou o director-geral adjunto da Biocom, Luís Bagorro, manifestando satisfação da companhia por ter alcançado este feito. “Esperamos ser a primeira de muitas outras exportações que o país irá realizar”, disse.


Com um efectivo de 2.500 trabalhadores, a Biocom considera no comunicado ser a maior empresa privada do sector não petrolífero do país, participando na redução do índice de desemprego. No-venta e sete por cento dos trabalhadores da empresa são angolanos e apenas 3,00 por cento expatriados que têm o compromisso de transmitir conhecimento, melhorando a formação técnica dos angolanos.


Para além dos empregos directos, a Biocom fomenta no município de Cacuso, Malanje, milhares de empregos indirectos, criando uma verdadeira cadeia de geração de rendimentos para várias famílias e benefícios socio-económicos para a região.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: