Luanda - Falei pessoalmente com o professor Amílcar Xavier quando tomei conhecimento de um possível debate entre o Deputado João Pinto e o Professor Fernando Macedo. Quando chegavam os convidados às instalações da “televisão que mudou a televisão”, apercebi-me que o referido debate seria feito entre dois jovens Deputados – João Pinto ( Bancada Parlamentar do MPLA) e Raul Danda ( Bancada Parlamentar da UNITA).

*jornalista
Fonte: Club-k.net

Com a retórica bajulativa levou  o debate
para um fórum fora do texto constitucional


Começo  por felicitar a selecção dos intervenientes, por serem representantes de duas bancadas parlamentares diferentes. Eles ofereceram-nos um verdadeiro debate contraditório, pois, desta vez não ouve quem dissesse “não estou aqui como político”, como forma de fugir o rabo a seringa. 
 


Eu sou o que são as minhas ideias, caso contrário não seria humano. Penso que, mais uma vez, todo debate em torno do texto constitucional é bem-vindo, mas deve ficar bem claro que a possível discussão sobre o texto fora dos limites constitucionais que é o artigo 159 da actual Lei Constitucional angolana é uma falta de respeito a nação e perca de tempo para os autóctones desta terra que muito têm de fazer para o seu próprio povo.


Senhor jornalista Amilcar Xavier e os senhores deputados João Pinto e Raul Danda queiram aceitar os meus parabéns pelo contraditório. Porque é o requisito fundamental para um debate. Pois, debate é diferente de uma simples conversa. Neste, não há, necessariamente, contradição e confrontação. porque se não… não teria problema em dizer mais uma conversa e desta fez não de bar mas, sim de hotel duma estrela. Mas não foi o caso, valeu o contraditório.


Ao deputado Raúl Danda faltou conhecer o adiversário em estúdio, sei que não conseguiu sobreviver ao contraditório no princípio, ao meio tentou a sobrevivência, para no final dar a conhecer ao adversário a sua inocência sobre o assunto, devera ser falta de formação na área jurídicas, mas, como politico e também jornalista devia bem conhecer a famosa “enciclopédia” João Pinto, e tinhas o elemento mais importante na discussão a verdade.   


Ao deputado João Pinto faltou com a verdade intelectual e ética política. Não se pode, perante os telespectadores e na qualidade de deputado, a gargalhar “Kwelelar” e adicionar a “retórica bajulativa”, levando o debate ao fórum totalmente fora do texto constitucional. “O Mpla sempre cedeu”, cedeu o quê? Cargo de Deputado? Talvez. A casa no Nova Vida? Aí sim. Quantas leis já foram aprovadas com a ausência da oposição? Que cedência o M dá?

     

Ouve um grande esforço do moderador em colocar o deputado João Pinto nos carris, quando quisesse falar de coisas que não tinham nada a ver com o texto constitucional. Para mim, foi uma das grandes vitórias de Amílcar Xavier neste debate, os meus parabéns.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: