Lisboa - O antigo ministro da Construção e Obras Públicas, Waldemar Pires Alexandre, foi notificado para ser ouvido pelas 9 horas, da manha de quinta-feira (9), em Luanda, no âmbito do processo que decorre no Serviço de Investigação Criminal em que são visados antigos gestores do Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA).

Fonte: Club-k.net

Waldemar Pires Alexandre deverá ser ouvido na qualidade de antigo Director-Geral adjunto do INEA na  Direcção de Combate aos Crimes de Corrupção, pelo instrutor Rodrigo Martins.  

Segundo apurou o Club-K, para além deste antigo governante, foram também notificados os seguintes funcionários do INEA, a saber:

- Berta Chilomba Mande,

- Carlos Ernesto Ângelo Camuenho,

- Florentino Adão da Silva,

- Manuel bartolomeu Ferraz,

- Maria Luísa Adão Baptista,

- Rodrigo Vieira Lopes,

- Victor da Silva Casimiro,

- Joaquim de Almeida Dias

- e David Daniel.

O processo em causa  – n.º 439/19 -  surgiu de uma proposta do ministro do Interior de Angola, Ângelo de Barro Viegas Tavares, apresentada ao Presidente da República, avançando a possibilidade de resgatar para os cofres de Estado, 10 milhões de dólares americanos supostamente desviados por antigos gestores do INEA , há 10 anos.

 

A proposta do ministro que resultou na detenção do antigo director-geral do INEA, Joaquim Sebastião foi sustentada com o teor de um relatório da Inspecção-Geral das Actividades do Estado (IGAE), levado a cabo em 2009, com referência a factos ocorridos entre 2007 e 2009. Esses factos são o eventual desvio de um bilião de kwanzas (ao câmbio da altura, dez milhões de dólares) dos cofres do Estado, a sobrefacturação habitual de trabalhos, contratos duplicados para o mesmo fim e o mesmo período com empresas diferentes, contratos de guarnição com empresas de segurança para residências estranhas ao INEA. O relatório apurou estas ocorrências, e assim Joaquim Sebastião e outros foram constituídos arguidos a 25 de Janeiro de 2019.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: