Washington - O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, enviou um memorando às autoridades da imigração que introduz novas regras para os refugiados à procura de protecção humanitária, incluindo a cobrança de uma taxa a quem peça asilo, noticiou jornal português Diário de Notícias.

Fonte: Angop

O documento, denominado Novas Regras para Asilos, visa responder àquilo que Donald Trump classifica como "um sistema de asilo em crise".

O memorando também proíbe dar autorizações de trabalho aos candidatos ao estatuto de asilados que tenham entrado ilegalmente nos Estados Unidos, além de obrigar os refugiados a apresentar uma candidatura a asilo num prazo máximo de 180 dias.

As novas regras têm como objectivo salvaguardar "o nosso sistema contra o abuso desenfreado do nosso processo de asilo", explicou Trump.

Actualmente, qualquer pessoa pode apresentar um pedido de asilo aos Estados Unidos sem que isso tenha qualquer custo.

No documento, divulgado na madrugada desta terça-feira pelo Presidente, o novo regulamento é explicado com "a crise e as consequências da imigração massiva nas fronteiras do sul" dos Estados Unidos.

"Em Fevereiro de 2019 declarei uma emergência nacional no que diz respeito à segurança e uma crise humanitária nessa fronteira", afirma Trump no documento, acrescentando que "essa emergência continua a crescer e é cada vez mais séria".

Donald Trump afirmou ainda, numa declaração divulgada no Twitter, que caso os Democratas não votem já uma mudança das leis de imigração norte-americanas, que classificou como "fracas, ineficazes e perigosas", irá lutar "com toda a força" por esses votos em 2020.

O Presidente nota, no memorando divulgado, que uma grande parte dos 100 mil migrantes que tentaram entrar nos Estados Unidos em Março viajavam "em grandes caravanas e outros grupos bem organizados, muitos deles com crianças".

Além disso, muitas organizações ilícitas beneficiam financeiramente do contrabando de migrantes para os Estados Unidos e encorajam o abuso dos pedidos de asilo", defendeu.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: