Lisboa – No âmbito da política de abertura, o actual secretário para os Assuntos de Comunicação Institucional e de Imprensa do gabinete presidencial, Luís Fernando propôs ao Presidente João Lourenço a adotar uma nova temporada de entrevistas presidenciais pondo embargo ao modelo de conferencias de imprensa colectiva feitas no jardim na cidade alta.

Fonte: Club-k.net

Até 26 de Junho, as partes concordaram que doravante convidariam dois órgãos de comunicação social na qual os profissionais colocaram livremente questões ao Chefe de Estado, sem ter de haver necessariamente um tema previamente concertado.

 

Para a fase inaugural, o secretário presidencial convidou a TPA (representada pelo seu director de informação Luís Caetano) e o “Novo Jornal” (na pessoa do seu director-geral interino, Nok Nogueira). Luís Fernando comunicou aos dois órgãos o formato  pretendido para  entrevista, porém, a TPA preferiu levar questões previamente concertadas (pela sua direcão) e apontadas num Ipad. A entrevista foi gravada no período de tarde de sexta-feira (28),  e quando eram 21h do mesmo dia, foi transmitida  pela  TPA.

 

Por sugestão do PCA, da TPA, Francisco Mendes, foi igualmente proposta, em última da hora,  que a entrevista fosse também transmitida em simultâneo por duas plataformas (Youtube e Facebook) controladas pela revista angolana “Platina Line”.

 

A próxima entrevista, está prevista para dentro de 3 a 4 meses, na qual voltarão a convidar mais outros dois órgãos de comunicação social nacional.

 

Ao contrario do seu antecessor, o novo chefe de João Lourenço revela-se mais aberto ao se comunicar com país. Na sua recente entrevista, notou-se nele sinceridade de que não quer alterar a constituição deixada por JES, de forma a devolver ao povo o poder de escolher um Presidente da República diferente do partido no poder e de se diminuir os poderes que esta lei dá ao mais alto magistrado da nação. De acordo com vários analistas, a constituição deixada por Eduardo dos Santos faz de qualquer Presidente, um “ditador institucional”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: