Lisboa – A Procuradoria Geral da República liderada pelo general Hélder Fernando Pitta Grós quer ouvir o Juiz Presidente do Tribunal Supremo, Rui Constantino da Cruz Ferreira no âmbito de um processo relacionado a empresa privada 5M, de direito angolano cuja acusação foi movida pelo empresário francês Vincent Miclet.

Fonte: Club-k.net

Sócio francês abre queixa contra advogado do regime 

Enquanto viveu em Angola, o empresário francês foi colocado a gerir a empresa 5M, entre o período de 2010 a 2012, ligada a antigos generais da presidência. Os verdadeiros donos da 5M, agora rebatizada por SOPORTOS- Transportes e Descargas, S. A. são: Manuel Vieira Dias Júnior, Leopoldino Fragoso do Nascimento, José Pedro de Morais Júnior e José Mário Cordeiro dos Santos.

 

Na acusação feita, Vincent Miclet, antigo PCA da empresa queixa-se que um grupo de advogados ligados ao antigo circulo presidencial terão rasurado uma procuração forense em seu nome e com poderes especiais e que de seguida foi usada para outras finalidades como passagem de património e movimentações financeiras para alegados familiares que acredita serem “testas de ferro” dos advogados. Vincent Miclet alega não reconhecer como sua, a assinatura contida na procuração por isso acredita ter sido sujeita a alterações indevidas, traduzidas em “falsificação de documentos”.

 

Para esclarecimento do assunto as encarregue de investigar a queixa decidiram ouvir todas as figuras citadas por Vincent Miclet como próximas ao dossier. 

 

Desde o inicio do processo, a PGR ouviu  o sócio  José Mário Cordeiro dos Santos  no departamento de combate a corrupção, que fica no 5o andar das instalações do palácio de Justiça.

 

Na segunda-feira (1), o instrutor do processo, ouviu o queixoso Vincent Miclet para colher o seu depoimento. Vicent que se encontra a viver temporariamente no Reino dos Marrocos foi ouvido durante 45 minutos, na segunda-feira (2 Julho), por vídeo conferência.

 

Quanto a Rui Ferreira, fontes da PGR, esclareceram que este advogado goza de um fórum especial por ocupar um alto cargo na magistratura angolana e na sua condição deverá ser convidado para ser ouvido em declarações num local escolhido pelo mesmo. Deverão ser também notificados, os generais Manuel Vieira Dias “Kopelipa”, Leopoldino do Nascimento, entre outros.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: