Luanda - Segundo alguns Comentários, a Selecção Nacional de Angola apresentou-se técnica e fisicamente com a melhor selecção de sempre, na 32a Edição do CAN, que decorreu desde o dia 21 de Junho a 19 de Julho de 2019, no Egipto, comparando com as outras participações, com um conjunto muito jovem, com excepção dos experientes Mateus Galiano e Djalma Campos.

Fonte: Club-k.net

A Selecção de Angola conseguiu constituir um excelente conjunto de Futebol que, de acordo com a crença de Analistas Desportivos, todas a Equipa Técnica da Selecção e jogadores, poderiam ir o mais longe passível - apurar-se para os Oitávos de final, e ir mais além, porém, a sua campanha não passou da fase de grupos, em que foi eliminado pela selecção do Mali com quem perdeu por 1 – 0, deixando todos os apreciadores do Futebol Nacional – analistas e comentaristas desportivos, e boa parte dos angolanos indignados e surpresos pela prestação de Angola no presente CAN. Os jogadores, incluindo o grupo técnico, ficaram igualmente desiludidos pela sua prestação.

 

Falando a ANGOP, a FAF, na pessoa do Número 2 da Organização, lamentou a falta de sorte e ineficácia por parte dos Palancas Negras, como razões da eliminação de Angola.

 

O desempenho de Angola, no CAN2019 no Egipto, revela que, muito trabalho se deve fazer para se alcançar uma Selecção a altura dos desafios presentes e de curto, médio e longo prazo. Várias acções devem ser realizadas com vista a formar e a construir uma melhor selecção. Deve-se incentivar o gosto pelo futebol, sobretudo, nas crianças, e em todas as esferas da sociedade.

 

É preciso realizar-se palestras, workshops, debates, seminários, campanhas em terno da matéria pela sociedade a fora – em todas as instituições indicadas e afins – como nas Escolas Primárias, Secundárias, e do Ensino Superior, nas organizações da sociedade civil, em associações filantrópicas, nas Industrias. A FAF deve reunir-se todas essas Instituições, apresentar as debilidades que, de completa, a selecção tem, ouvir as ideias dessas Instituições, e recolher as suas contribuições, analisar e acolher todos os contributos positivos a todas as debilidades, que o país enfrenta na modalidade em respeito.

 

Os Associados do sector, os clubes nacionais futebol, devem todos ser ouvidos para a melhoria da situação.

 

Por outro lado, a convocatória dos atletas para a Selecção não deve apenas limitar-se aos que jogam no Principal Campeonato do País, e obviamente para os que actuam na diáspora, o Órgão encarregue para orientação, acompanhamento e supervisão da escolha do jogadores para a Selecção, deve também olhar os bons e melhores jogadores com vontade e talento, que evoluem na segunda divisão, os bons e melhores atletas do Gira-bairro, que gostam de futebol, com dom de jogar, sobretudo jovens-adolescentes, de 14, 15 a 18 anos em diante.

 

Caso haja condições é preciso que haja no país, a semelhança do Campeonato da Primeria Divisão, um Campeonato regular e consistente de júnior, de crianças que vão até aos 12 anos, uma Prova regular e consistente dos Sub dezessete.

 

O país tem que apostar na construção de inúmeras infra-estruturas desportivas em todo o país, na construção em todo o país de Campos de futebol em todas as escolas estatal do ensino geral, e até Universitários, e exigi-lo para as Instituições de Ensino Privado. O Governo deve construir Infra-estruturas escolares suficientes a nível nacional, e implementar o presente desiderato da melhoria do futebol nacional, e em particular da selecção.

 

O desempenho de Angola no CAN 2019 mostra, que é preciso criar uma Comissão de Psicólogos da Selecção de Futebol - CPSF, que estejam a par e passo com a situação emocional, psicológica, motivacional dos atletas. Atletas que estejam motivados acima de tudo, com a sua arte, que se sintam satisfeito primeiramente com o cumprimento do seu dever, enquanto estão na prova e colocar em segundo plano as outras necessidade, sejam elas de satisfazer o grupo técnico ou o público, ou o expectador exigente. Mas a primeira preocupação e a satisfação dos jogadores deve ser o cumprimento do seu dever de forma exitosa.

 

A mensagem que os Psicólogos da Selecção devem incutir nos jogadores é: O cumprimento da sua obrigação, e o cumprimento exitoso deve ser a primeira razão emocional e psicológico para os atletas apresentarem uma boa exibição, e também a razão principal para a sua satisfação emocional e psicológica. Este mesmo espírito deve ser incutido para todo Grupo Técnico, o Técnico Nacional e seu Adjunto, que a primeira sua Missão é realizar o objectivo do País, que é antes de mais dar felicidades aos amantes do futebol nacional.

 

A FAF deve buscar experiência dos países vizinhos nossos: como é que o Madagáscar que participou pela primeira vez da Prova conseguiu ter uma boa prestação, terminando em primeiro lugar do seu grupo com 7 pontos, tendo chegados aos Oitávos de final, ter a experiência de como é que a selecção da Zâmbia participou pela primeira vez no CAN em 1974, e chagado a final daquela Edição, e ter conquistado o CAN2012, co-organizado pelo Gabão e Guiné-Equatorial, Saber da experiência da África do Sul que já tem um Campeonato conquistado, e na Presente Edição chegou aos Oitávos de final, eliminou o País Organizador – O Egipto, posicionando-se entre as Oito melhores Selecções da Prova.

 

E, depois de realizadas, de maneira eficaz e eficiente, todas acções referenciadas, o Órgão Máximo do Futebol Nacional poderá melhorar o desenvolvimento do Futebol Nacional.

Por Adriano Kanganjo

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: