Luanda – O Tribunal Supremo ainda não restituiu o passaporte dos arguidos os do caso “500 milhões de dólares do BNA” transferidos de forma ilegal para uma conta em Londres, apesar de ter julgado parcialmente procedente os recursos interpostos pela defesa dos réus, segundo acórdão lavrado de 7 de Junho do corrente.

Fonte: Club-k.net

Fontes do Tribunal Supremo, citadas pelo Novo Jornal garantem, que a defesa dos arguidos deu entrada de um requerimento naquele Tribunal Superior a solicitar a restituição dos passaportes que tinham sido retidos por força da medida de coação que pesava contra todos eles.

 

José Filomeno dos Santos esteve em prisão preventiva devido ao seu envolvimento na burla de 500 milhões de dólares americanos que ele e o seu amigo Jorge Gaudens Pontes Sebastião defraudaram ao Estado angolano nas últimas semanas do mandato do seu pai, José Eduardo dos Santos.

 

Na altura dos factos, Filomeno dos Santos convenceu o seu pai JES de que uma empresa britânica iria emprestar a Angola 30 bilhões de dólares mas para isso acontecer, o Estado angolano deveria dar um deposito de 500 milhões de dólares que foram transferidos do BNA para conta de uma empresa-fantasma, a "Mais Financial Services" no Crédit Suisse de Londres. A "Mais Financial Services" é uma empresa detida por Jorge Pontes, testa-de-ferro de Zenu dos Santos.

 

O departamento de Operações Bancárias do BNA efectuou a transferência dos 500 milhões de dólares para a conta da “Mais Financial Services”, no Crédit Suisse de Londres. Essa empresa tentou, a posteriori, a transferência dessa verba para a conta privada do cidadão suíço-angolano Jean-Claude Bastos de Morais. As autoridades financeiras londrinas suspeitaram, e bloquearam a operação.


Como consequência, as autoridades britânicas realizaram detenções de supostos sócios de Zenú em Londres e comunicaram Luanda, sobre o sucedido resultando em investigações que iniciaram já, no consulado de João Lourenço como Chefe de Estado.

 

Em Janeiro de 2018, o Presidente João Lourenço informou ao antigo líder do MPLA, José Eduardo dos Santos sobre a abertura de investigação quando a este processo, em que estão arrolados Filomeno dos Santos, Jorge Pontes e o ex-governador do BNA, Walter Filipe da Silva, responsável pela autorização da transferência dos 500 milhões de dólares.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: