Luanda – Um homem de 30 anos foi morto a tiro na madrugada de Sábado, 10, por um 3º subchefe da Polícia Nacional, que o confundiu com o alegado amante da sua mulher, disse fonte policial.

Fonte: NJ
Tchipa Panzo, de 30 anos, foi atingido em cheio na cabeça por um disparo de arma de fogo quando estava em convívio entre amigos, na rua H do bairro Palanca, município do Kilamba Kiaxi, em Luanda.

O crime aconteceu por volta da 01:00 e o homicida, após consumar o acto, meteu-se em fuga, como relataram populares que estavam no local. A mulher do subchefe da PN e o seu alegado amante, também estavam no local.

O óbito foi declarado pelos efectivos do Serviço de Investigação Criminal (SIC) que acorreram no local do crime 20 minutos depois deste ter sido cometido.

Ao que o NJ apurou no local, o crime terá sido motivado por questões passionais porque a mulher manteria, em paralelo, uma relação amorosa com amigo da vítima e com seu esposo.

O atirador encontrou a vítima e a mulher juntos, numa lanchonete, e chegou a confundir o homem com o suposto amante da sua esposa, tendo baleado por engano o homem na zona da cabeça.

De acordo com o intendente Hermenegildo de Brito, porta-voz do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional, o terceiro subchefe da Polícia Nacional está colocado no Comando Municipal do Kilamba Kiaxi, e ainda está foragido das autoridades.

"Ele meteu-se em fuga depois de cometer o crime. Após tomarmos conhecimento da ocorrência, de imediato fez-se a remoção do corpo", disse, acrescentando que a PN e o SIC entraram em contacto com a família do falecido e foram iniciadas diligências para a localização e detenção do foragido.

O responsável fez saber ainda que foram abertos dois processos contra o acusado. "Apesar de não se encontrar em serviço na altura do sucedido, de acordo com o que estipula o regulamento de disciplina da Polícia Nacional, além do processo-crime, será também aberto contra o acusado um processo disciplinar, que pode culminar com a sua expulsão da corporação", disse.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: