Luanda – Mais de 27 mil antigos combatentes da província de Luanda não recebem pensões há quase três meses. Os beneficiários acreditam piamente que seja por causa dos pensionistas fantasmas, uma vez que ainda não se realizou o novo cadastramento. O Club-K Angola sabe que a maior parte dos beneficiários dependem somente de 19 a 23 mil kwanzas que recebem, mensalmente, do Estado.

*Óscar Ganga
Fonte: Club-k.net
Algumas fontes garantem haver, dentro do sistema da direcção de Luanda, supostos pensionistas fantasmas que beneficiam muitos dirigentes que controlam o “esquema” de saque para assistir os (27.413) combatentes com prova de vida confirmada.

Até aqui, a direcção provincial dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria remete-se ao silêncio para esclareça as razões, numa altura em que os pensionistas clamam por falta de assistência em todas as vertentes para sobrevivência.

Enquanto isso, os 27.413 pensionistas que – compõem as diferentes categorias classificadas como antigos combatentes, entre guerrilheiros, ex-presos políticos e presos na clandestinidade, órfãos, viúvas, veteranos da pátria e ascendentes – enfrentam imensas dificuldades desde que deixaram de receber o que lhes é de direito, em Junho último.

O valor financeiro das pensões varia entre 19 a 20 mil kwanzas, por mês, correspondentes aos grupos classificados por nível de deficiência que os cidadãos apresentam. O que, para muitos assistidos, a compensação garantida pelo Estado não corresponde ao custo de vida actual.

Os compatriotas lamentam, por outro lado, não beneficiarem de outras regalias/assistências similar às necessidades básicas, sobretudo para antigos guerrilheiro sem condições de locomoção por falta de meios, como cadeira de rodas ou muletas, por exemplo.

“Lutamos por este país a fero e fogo, perdemos a nossa juventude na tropa, perdemos braços, pernas, vistas na frente de combate, mas hoje somos abandalhados para receber por mês 19 mil kwanzas?”, questionou um dos beneficiários.

Direcção provincial reage

Em declarações ao Club-K Angola, o director provincial de Luanda dos “Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria”, Baptista Adão Correia, garantiu que o problema no sector das finanças e tesouraria já terá sido ultrapassado, tendo acrescentado que ainda este mês, Agosto, todos assistidos terão as suas pensões pagas.

O responsável admitiu, por outro lado, haver atraso de apenas dois meses. “É pacífico, houve um constrangimento na área de finanças para o efeito de transferência. É uma questão administrativa ao nível da tesouraria. Já está resolvido e pela semana seguinte podem os pensionistas reaverem os seus subsídios nas suas contas que são apenas dois meses”, assegurou Baptista Correia.

Actualmente o Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, sob tutela do ministro João Ernesto dos Santos “Liberdade”, tem sob seu domínio, em todo país, 162 mil 300 assistidos, sendo que, a capital, Luanda suporta 27.413.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: