Lisboa – Circula em meios da classe media londrina, na Inglaterra, uma informação segundo as quais a University of London (King's College) terá rejeitado a uma “violenta” doação "milionária" que uma antiga aluna, Isabel José dos Santos desejava fazer para o engrandecimento da instituição. A rejeição, segundo justificação dada, é remetida a razões de “integridade financeira”, uma vez que a riqueza daquela antiga aluna tem sido constantemente questionada.

Fonte: Club-k.net


Isabel dos Santos, filha do ex-presidente de Angola, José Eduardo dos Santos sempre viveu entre Angola e Reino Unido. Em Luanda, ela se tornou na primeira bilionária de África vendendo ovos e subsequentemente abrindo um restaurante na Ilha de Luanda. Porém, é na capital inglesa que frequentou a St Paul’s, uma das escolas mais exclusivas de Londres, antes de estudar engenharia pela prestigiada King's College.


Tanto Isabel dos Santos como o King's College, não tornaram ainda uma posição pública para esclarecer  a polémica  que levaria a empresaria angolana a fazer a referida doação para o engrandecimento institucional da sua antiga Universidade.


Nos meios que acompanham as estas diligencias, sobressaem comentários atribuindo a Isabel dos Santos manifestações de ser aceite pela elite britânica.


“Há um profundo desejo de ela ser aceite pela a British Establishment. Isabel estou com membros da elite no St Paul’s, na Universidade de Londres, empregou vários membros da elite Britânica nas suas empresas, e agora quer ser mais do que está figura estrangeira endinheirada. Ela quer dar grande jantares onde a fina flor Britânica pode aparecer”, lê-se, num dos comentários que o Club-K teve acesso.


De acordo com os mesmos comentários “A aristocracia Britânica aceita os estrangeiros endinheirados; em privado riem-se deles. A senhora Isabel dos Santos não foge fora da regra”.

 

Já em Abril de 2018, a presença de Isabel dos Santos para uma conferencia na Universidade de Yales gerou críticas de estudantes que, nas redes sociais, a acusam de não ser empresária ou activista, mas sim “parte de um sistema corrupto em Angola”.

 

O professor do Departamento de Política e Estudos Internacionais da Universidade de Cambridge e especialista em Angola, Justin Pearce, disse a VOA que Isabel dos Santos não é o melhor exemplo para “estimular” os estudantes africanos em virtude de a sua riqueza advir de laços políticos devido ao seu pai, o antigo Presidente angolano.


Além de Isabel dos Santos, outros 13 palestrantes falaram sobre temas de identidade, democracia, negócios e tecnologia e sustentabilidade.


Há cerca de uma semana, Isabel dos Santos, voltou a fazer manchete em vários jornais ao ser citada por “The Times” por ter comprado uma mansão em Kensington, uma das zonas mais luxuosas de Londres, avaliada em 13 milhões de libras, cerca de 14 milhões de euros.


A compra, refere o The Times, terá causado a ira e indignação dos vizinhos uma vez que a empresária quer transformar a casa numa mansão 'iceberg', ou seja, quer demolir e reconstruir a mansão com um piso adicional subterrâneo, prática que se está a tornar corrente na capital britânica.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: