Luanda - O livro Gigantes do Zouk, de autoria do escritor angolano, Luís Paulo, tem sido o mais solicitado nos últimos meses após o anúncio do seu lançamento para este ano.

Fonte: Club-k.net

De acordo com Manuel Sousa, representante da Casa do Zouk em França, ao ser anunciado o lançamento da obra em Angola fez crescer a simpatia e o interesse de centenas de apreciadores e fanáticos do Zouk em vários países de África e da Europa, como por exemplo Angola, Moçambique, Cabo Verde, Portugal, França e Bélgica. "Há pessoas a título individual que estão a encomendar 10, 15 e até mesmo 20 exemplares para seus familiares e amigos", referiu.

 

O responsável da Casa do Zouk informou que vai ser lançada uma obra inédita, que aborda 40 anos de Zouk (1979 - 2019), com destaque para a banda KASSAV, mas também vários outros grupos e artistas da música afro-caribenha que surgiram após a explosão do Zouk nos anos 80. Daí a razão de haver interesse enorme por parte das pessoas que querem conhecer com detalhe a história do Zouk e o percurso musical de seus principais protagonistas", segundo Manuel Sousa.

 

Para uma obra com uma tiragem inicial de mil exemplares, e destes, quase metade adquiridos por encomenda, é um ganho para a literatura africana, em especial a angolana.

LANÇAMENTO

O livro Gigantes do Zouk vai ser lançado as quinze horas do dia 24 de Agosto, no Pátio da Rádio Mais, na Urbanização Nova Vida, em Luanda.

 

De acordo com Eddy Compper, produtor musical e director do Centro Cultural de Guadalupe, Gigantes do Zouk é um livro cheio de essência, lotado de informação e de uma rigorosa análise das boas fases e dos maiores factos ocorridos neste género em 40 anos. Uma narrativa em que o seu autor, Luís Paulo, sabiamente nos apresenta o maior, mais caro e aclamado movimento musical que faz a história do Zouk e da música afro-caribenha.

 

O livro tem 300 páginas e dez capítulos que vão dar luz a uma exposição inteiramente emotiva, onde o autor anuncia o legado e a agenda dos principais promotores do Zouk, marca-lhes presença e dá vida a quem ama a música e encara a arte de corpo e alma.

 

O autor singulariza o impacto de Pierre-Edouard Décimus no circuito artístico antilhano a partir de 1975, a concepção do Zouk, o surgimento do Kassav, entre outros.

 

O Zouk em África é outro capítulo que o autor designa as suas diferentes alternativas.

Eddy Compper concluiu o prefácio realçando que Gigantes do Zouk é uma obra que merece ser lida por todos os amantes da arte e por todas as pessoas interessadas em conhecer a história e qualidade do género Zouk, da música antilhana e africana.

Sobre o Autor

Luís Paulo nasceu e vive em Luanda. É jornalista, jurista, ensaísta e especialista em comunicação. Trabalhou no Jornal de Angola como redactor e repórter. Colaborou em várias rádios e jornais do país. É quadro sénior do Ministério dos Transportes da República de Angola. De 2001 a Janeiro de 2019 desempenhou várias funções/cargos no Ministério dos Transportes da República de Angola (Consultor de Imprensa, Chefe do Departamento do Centro de Documentação e Informação e Director do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa). Dirigiu a revista Rumos do Ministério dos Transportes, fundou a Casa do Zouk, fundou a revista In Memoriam, criou, com o jornalista Mário Santos, o programa "Zouk Non Stop" (emitido todos os domingos na Rádio Mais) e com o jornalista Pedro Baptista criou o "Hora do Zouk", na Rádio Nacional de Angola.

 

Em 2015 o autor de Gigantes do Zouk visitou a ilha de Guadalupe (a famosa terra do Zouk) a convite de Pierre Edouard Decimus, fundador do Zouk e do grupo Kassav, e de Eddy Compper, produtor e director do Centro Cultural de Guadalupe.

Livros Publicados pelo Autor

- Transportes, um Sector da Linha da Frente, Evolução Histórica e Novas Dinâmicas, 2017 (Prefácio do Professor Manuel José Nunes Júnior

- Bê-à-Bâ de António Agostinho Neto e José Eduardo dos Santos, Digníssimos da História Contemporânea de Angola (Prefácio do Professor Francisco Manuel Monteiro de Queirós e do nacionalista Luís Neto Kiambata)

Principais Artigos de Investigação

- António Agostinho Neto: 1922 - 1979 (revista In Memoriam, 2014 - com a colaboração da Fundação António Agostinho Neto - FAAN)

- Maria Mambo Cafe, nacionalista de fortes e firmes convicções (revista In Memoriam, 2015 - com a colaboração dos jornalistas Mateus Cavumbo e Celso Malavoloneke)

- Pascoal Luvualu, em defesa dos mais nobres ideais da Nação Angolana (revista In Memoriam, 2016)

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: