Luanda - O presidente do grupo parlamentar da UNITA, maior partido na oposição angolana, considerou hoje que a governação de João Lourenço "infelizmente não trouxe melhorias em relação ao anterior período" e que o combate à corrupção "é paliativo".

Fonte: Lusa

"O país tem uma crise sem soluções, a governação de João Lourenço infelizmente não trouxe melhorias em relação ao anterior período, os vencimentos mesmo actualizados não têm grande poder de compra, como sabem a cesta básica subiu extraordinariamente de custo", afirmou hoje, Adalberto Costa Júnior, quando questionado sobre os dois anos de governação do Presidente angolano, João Lourenço, a serem assinalados na quinta-feira.

 

E portanto, frisou, a situação económica do país "tem consequência sobre as famílias, sobre as empresas, são imensas as falências que são decretadas e portanto o elemento que vamos constatando é sério, é problemático".

 

O Presidente angolano, João Lourenço, completa na quinta-feira, 26 de setembro, dois anos de mandato na liderança país, em substituição de José Eduardo dos Santos que dirigiu Angola durante 38 anos.

 

O combate à corrupção, impunidade, nepotismo e a bajulação são as linhas de força da governação de João Lourenço, igualmente presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder desde 1975).

 

Para o político da UNITA, que falava hoje, em Luanda, durante uma conferência de imprensa das VIII jornadas parlamentares do seu partido, o processo de combate à corrupção em Angola "é paliativo e direccionado".

 

"Somos de entendimento que é um paliativo o combate à corrupção que o Governo tem vindo a fazer, é um combate direccionado apesar de um ou outro nome ilustre que vem à baila de tanto em tanto, particularmente, quando há grandes desafios procura-se uma grande condenação para nos distrair", atirou quando questionado pelos jornalistas.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: