Lisboa - A Rádio Despertar (ligada à UNITA), suspendeu a semana passada,  o Jornalista Cláudio Emanuel Pinto de Andrade,  depois deste ter anunciado, no dia 25 de Setembro, nas redes sociais que realizaria – no seu habitual espaço radiofônico às tarde - um debate em que os ouvintes poderiam telefonar e indicar “o candidato mais competente para liderar a UNITA e derrotar o MPLA nas próximas eleições”.

Fonte: Club-k.net

Ao preparar-se para levar a cabo a promessa feita aos ouvintes  da rádio, “Claudio In” como também é conhecido, e sua equipa, foram travados pelo Diretor-Geral da referida Radio, Emanuel Malaquias,  que os comunicou a cerca da existência de um processo disciplinar por “motivos distintos”.

 

“Vim trabalhar e fui agora informado de que fui suspenso da Rádio Despertar pelo Director-geral, Emanuel Malaquias”, lê-se numa publicação do jornalista difundida no dia 27, no facebook, alegando que as motivações da suspensão prenderam-se porque “Eu não aceitei ser censurado e instrumentalizado para fins políticos. lamento, mas o IN já não vai para o ar.”

 

Segundo apurou o Club-K, a equipa do programa foi suspensa sem que antes os seus integrantes tivessem sido ouvidos. Contudo, segundo informações que correm em Luanda, a suspensão de “Claudio IN” é associada a uma ordem superior partidária que proibia manifestações eleitorais antes da formalização de candidaturas ao congresso da UNITA, marcado para Novembro próximo.

 

No programa de Claudio Emanuel, que iria ao ar, seriam  apresentados como potenciais candidatos  a liderança da UNITA, os deputados José Pedro Katchiungo, Lukamba Paulo “Gato”, Adalberto da Costa Júnior e o antigo Secretario Geral, general Abílio José Kamalata Numa.

 

Paralelamente a suspensão da equipa do programa de Claudio Emanuel,  a Rádio Despertar trouxe em dias consecutivos declarações eleitorais de Augusto Makuta Nkonda (na segunda-feira) e dia seguinte uma outra intervenção  de Sediangani Mbimbi, fazendo apologia pela continuidade de Isaías Ngola Samakuva, na liderança do partido. A defesa de ambos foi de que Samakuva já era conhecido do público e que se deveria aproveitar novamente este capital.

 

No mesmo dia em que Claudio Emanuel foi suspenso, o “Novo Jornal” reportou que no espaço "Angola e o Mundo em 7 Dias", da Rádio Despertar, a jurista e deputada à Assembleia Nacional, Mihaela Webba, afirmou que nada inibe o presidente da UNITA de concorrer a mais um mandato, e reprovando as vozes que criticam uma eventual recandidatura de Samakuva.


"Nós não vamos receber aulas de democracia de cidadãos que nem sequer sabem o que é a democracia, e cuja democracia lhes foi imposta pelo ocidente. E portanto, acho de muito mau tom alguém que é do MPLA vir a público dizer que nós estamos a violar as regras democráticas", disse, referindo-se aos que comparam a continuidade de Samakuva à frente dos destinos da UNITA com a permanência de José Eduardo dos Santos à frente do partido no poder.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: