Lisboa – O Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço deverá ainda este mês mexer nas chefias militares  interrompendo assim o mandato de quatro anos das chefias do Estado-Maior General das FAA, que foram nomeados  em Abril de 2018.

Fonte: Club-k.net

A medida (mexidas) é focada  ao afastamento do general António Egídio de Sousa Santos que deixa prematuramente o cargo de Chefe do Estado-Maior General das FAA, colocando por outro lado,  o actual Comandante do Exército, general Gouveia Sá Miranda na linha de sucessão.


Para candidatos são igualmente apontados nomes como Francisco Lopes Gonçalves Hanga (ex-comandante da Força Aérea) e almirante Augusto da Silva Cunha "Gugu" (ex- comandante da Marinha de Guerra). De acordo com pesquisas,  a preferencia para CEMGFAA, no seio dos soldados, sobressai para o general Geraldo Abreu Muengo Ukwachitembo "Kamorteiro", que desempenha as funções de vice-chefe de Estado-Maior General para Logística e Infra-estruturas das Forças Armadas


Está igualmente prevista a saída do ministro da Defesa Nacional, Salviano de Jesus Sequeira "Kianda", num cenário em que é perfilado como potencial sucessor, o general José Luís Caetano Higino de Sousa "Zé Grande", actual director- geral do Serviço de Inteligência Externa (SIE).


O Juiz presidente do Tribunal Supremo Militar, general António dos Santos Neto “Patónio”, que está em vias de  jubilar, é, por outro lado apontado como “interessado” na pasta da Defesa Nacional. Tal como Zé Grande, o general “Patónio”, é também identificado como sendo da estima do Presidente da República. Foi “Patónio”, que no passado apresentou Ana Dias Lourenço a João Lourenço. 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: