Luanda - O mercado empresarial nacional está de luto com a morte do antigo presidente do Fórum de Auscultação e Concertação Empresarial (FACE) e líder do Grupo Al-pega, Ambrósio de Lemos Pereira da Gama “Alpega”, ocorrida na segunda-feira, em Lisboa, vítima de doença.

Fonte: JA

O gastrónomo angolano e presidente de direcção da Associação de Hotéis, Restaurantes, Similares e Catering de Angola (Ahoresia), João Gonçalves, amigo e colega de profissão do malogrado, disse, ao Jornal de An-gola, que o país perde um grande “patrono dos empresários angolanos.”

 

Para o gastrónomo, Al-pega, além da simplicida-de e do trato fácil, foi sempre uma pessoa alegre, estudiosa e patriota, que conseguiu unir sinergias na mobilização de muitos jovens para ingressarem na maior força política do país. João Gonçalves lembra que, na semana passada, teve, via telefone, a partir de Lisboa, uma conversa com Alpega. Na conversa, conta, o empresário lamentava a situação social e económica em que o país se encontra.


João Gonçalves lembrou, ainda, que Alpega foi autor de várias acções de solidariedade a nível da Educação, deixando um legado merecedor do reconhecimento do Estado e da sociedade.


Antigo instrutor militar das FAPLA, no tempo do partido único, Alpega foi um dos primeiros empresários angolanos que se notabilizou com a empresa de gelados Alpega, na avenida Brasil, num edifício, que, nos finais dos anos 1990, foi transformado no colégio homónimo. “Ele contribuiu para a formação académica de muitos dirigentes, feito que vai ficar marcado na memória de muitos”, considerou.


João Gonçalves recordou, também, que Ambrósio de Lemos Pereira da Gama trabalhou na Câmara Municipal de Luanda.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: