Luanda - Dos 194 países membros da Interpol, participam aproximadamente 162, com mais de 830 Delegados, dos quais, 28 Ministros do Interior ou equiparados, mais de 62 Comandantes Gerais de Polícias, Directores de Investigação Criminal, em representação dos seus países, que ao longo dos quatro dias de sessões da 88ª Assembleia Geral da Interpol, a decorrer na cidade de Santiago, Chile, vão apresentar, debater, analisar várias questões relacionadas com a criminalidade a nível mundial, bem como soluções para melhor prevenir e combater os crimes que têm abrangência internacional e transnacional.

Fonte: MININT

Com o propósito de estabelecer cooperação com vários Estados Membros da Interpol no domínio da ordem e segurança pública, assim como de investigação criminal, nos intervalos das sessões da 88ª Assembleia Geral, o Ministro do Interior, Eugénio César Laborinho, estabeleceu encontros bilaterais com os Ministros da Administração Interna da República do Congo – Raymond Mboulou, com quem abordou questões sobre os crimes transfronteiriços entre os dois países, assim como abordou o Primeiro Vice Primeiro-Ministro e Ministro do Interior da Sérvia, o Sr NEBOJSA STEFANOVIC, tendo analisado a necessidade de estreitamente da cooperação no âmbito de segurança pública, investigação criminal, tendo concordado que os dois Ministérios começassem, o mais rápido possível, negociar um acordo de cooperação bilateral.


No final, os dois interlocutor discutiram sobre a situação da adesão do Kosovo à Interpol, tendo o Interlocutor da Sérvia solicitado à República de Angola a fazer recurso a sua influência a nível da Interpol, já que tem um membro no seu Comitê Executivo, para que não seja permitido a sua adesão, por constituir violação a Resolução 1244, do Conselho de Segurança da ONU, que reconhece o Kosovo como parte integrante da Sérvia.


De igual modo, o General Laborinho manteve um encontro com o Sr Ismael Chergui - Comissário para Paz e Segurança da União Africana, tendo os dois interlocutores abordado sobre a situação da Paz e Segurança em todo continente Africano, tendo, na ocasião, o Comissário expressado o seu agradecimento, em nome da União Africana, às autoridades angolanas, devido o seu empenho na busca de paz sustentável em todo o continente africano, e em especial, na região dos Grandes Lagos.


Na ocasião, o Ministro Laborinho estabeleceu um contacto com o Ministro do Interior do Chile, Dr. Andrés Chadiwick, com quem partilhou experiências sobre policiamento e segurança pública, assim como a necessidade da existência de uma cooperação policial internacional mais efectiva, usando, para o efeito, o reforço dos mecanismos a nível da INTERPOL.

 

Dos vários contactos bilaterais, também trocou algumas impressões com o Tenente General -ALEXANDER POUPOCHOCK, Vice Presidente da Interpol para Europa e Chefe do Gabinete Nacional da Interpol de (Moscovo) Rússia, que enalteceu a necessidade de materializar o acordo de geminação entre os Gabinetes da Interpol de Angola e da Rússia. Contudo, o dirigente russo cobrou a visita de troca de experiências dos oficiais da Interpol de Luanda à sua congénere da Rússia, em retribuição a visita realizada em Luanda pelos oficiais da Polícia Russa, em Março do ano em curso.


O Ministro César Laborinho recebeu, ainda, em audiência, o Sr. Carlos António, Comissário Principal, Director da Divisão de Cooperação Internacional do Ministério do Interior e Chefe da Delegação do Reino de Espanha à 88 Assembleia Geral, tendo-se manifestado a intenção de redinamizar a cooperação bilateral entre Angola e Espanha, especialmente no combate à criminalidade transnacional, bem como na assistência da execução de mandados de capturas existentes.


Finalmente, recebeu o Sr NATHAN KOFI BOAKYE, Comissário - Director de Planificação e Desenvolvimento da Polícia e Chefe da Delegação do Gana, que manifestou o interesse de estreitar e aumentar a troca de informações sobre o movimento migratório de cidadãos oeste africanos na região. Na ocasião, o General Laborinho manifestou o seu apresso e felicitou o apoio do Gana, aquando da investigação e recuperação do Navio Kerala, sequestrado nas águas territoriais angolanas, com mais de 70 mil metros cúbicos de combustível.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: