Lisboa – São identificados no pensamento de João Pinto  indicadores  de objeção  face a inclusão de figuras do antigo e actual Presidente no novo modelo de bilhete de  identidade. Quando questionado pelos seus próximos responde que “nem sempre se concorda com tudo”. Invoca  que a ausência do seu parecer publico sobre o assunto esta destinado a evitar posições opostas ao  alinhamento do regime.


Fonte: Club-k.net

Não pode falar publicamente  

Aparenta fazer uma melhor gestão da sua imagem escusando a exposição desnecessária. No passado dia 18 de Outubro, por meio de canais informais, foi lhe feito  um convite  para falar,  Sábado, 21 do mesmo mês, a Radio Despertar, ao qual recusou de forma indirecta. Num gesto entendido como forma de evitar o “não” directo, impôs que fosse  uma entrevista/debate  sem participação dos ouvintes e da platéia de estudantes.

 

Dedicado a vida acadêmica, João Pinto destacou se no passado opondo-se ao regime do MPLA a partir de Portugal até ser recrutado/convertido pelo antigo Vice Ministro da Cultura Andre Mingas  que o chamou para um cargo de director em Angola.  Esta agora no MPLA como deputado.

 

Diz-se que cortou relações emocionais com a corrente da diáspora angolana. No seu circulo particular são lhe conhecidos desabafos segundo o qual o  “Club-K”, o “braço de informação dos angolanos no exterior” é um veiculo formado por descontentes na diáspora  que “falam mal do governo”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: