Luanda - O XIII Congresso Ordinário da UNITA se realiza de 13 a 15 de Novembro de 2019, em Luanda, com a participação de 1.150 delegados, que visam acima de tudo eleger um novo presidente do partido do Galo Negro. As minhas previsões são as seguintes:

Fonte: Club-k.net

1. Antes de tudo e para apaziguar os espíritos revoltosos, a comissão organizadora do congresso e a equipa da continuidade, reiterará repetidas vezes e em todos os meios possíveis o ditado de que "todos devem obediência, respeito e submissão à vontade da maioria", isto é, os resultados incontestáveis que forem oficialmente anunciados.


2. Alcides Sakala Simões, o candidato da Direcção, vencerá as eleições presidenciais, garantindo assim a continuidade das políticas e o "modus operandis" do até então presidente da UNITA, Isaías Samakuva.


3. Tendo sofrido um golpe duro, Adalberto Costa Júnior, o candidato popular, que sairá em segundo lugar, terá uma permanência difícil na UNITA, tendo consequentemente criado adversários, transformando-se em uma oposição interna, chegando até a contemplar a ideia de abandono do partido para se juntar ou formar uma outra agremiação política.


4. Será a última vez que o General Abílio José Augusto Kamalata Numa, o candidato dos militantes sem vozes, irá concorrer ao cadeirão máximo da UNITA.


5. Estêvão José Pedro Katchiungo, um candidato ideal para o futuro, ganhará mais experiência eleitoral para poder voltar a concorrer após 10 anos.


6. Raúl Danda, o candidato persistente, será o menos votado, tendo sido penalizado pelos militantes induzidos, durante a campanha e o congresso, a considerá-lo "eternamente" como um traidor do fundador do partido.


7. O acto eleitoral em si será caracterizado de não ter sido justo, livre e transparente.


8. Surgirá uma corrente a elevar a ideia de impugnação das supostas eleições fraudulentas; A contestação será abafada pela grande máquina de propaganda da continuidade.


9. A UNITA sofrerá um forte embate, pelas críticas do povo, principalmente as redes sociais, manchando a sua credibilidade como um partido político supostamente democrático.


10. No calor da frustração, alguns militantes irão publicamente anunciar o seu abandono das fileiras da UNITA. Outros continuarão na UNITA mas mantendo uma baixa visibilidade e envolvimento.


OBSERVAÇÕES ADICIONAIS:


Infelizmente, a liberdade, justiça e transparência nestes tipos de eleições não se podem simplesmente medir na fiscalização do processo de voto e as subsequentes contagens e anúncio de resultados; A credibilidade destas eleições partidárias passam principalmente na justeza da escolha de delegados ao congresso e na ausência de ameaças, perseguições, ostracização e subornos (por parte daqueles que pretendem ganhar por via da fraude).


Porém, realço que essa é apenas uma previsão susceptível às minhas imperfeições como observador. O resto, a gente conversará após o Congresso dos maninhos.


Forte abraço.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: