Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, recomendou esta quarta-feira, em Luanda, rigor na gestão e distribuição dos bens adquiridos para acudir às vítimas da seca no sul de Angola.

Fonte: Angop

Ao intervir hoje na reunião da Comissão Nacional de Protecção Civil, João Lourenço orientou o emprego dos meios adquiridos, exclusivamente, para os fins aos quais estão destinados.

 

O Chefe de Estado citou como exemplo os equipamentos como moto-cisternas, destinados ao abastecimento de água às populações carentes, e sublinhou que não quer vê-los em fazendas particulares.

 

Na ocasião, disse esperar que o dinheiro e os bens adquiridos cheguem efectivamente a população necessitada.

 

Durante a reunião, foi apresentado o relatório da distribuição, realizada de Janeiro a Setembro deste ano, de sete mil e duzentas toneladas de bens diversos, no quadro do Programa Emergêncial de Combate à Seca no sul do país, concretamente, nas províncias do Cunene, Cuando Cubango, Huíla e Namibe.

 

Segundo o documento, o Executivo disponibilizou mais de 23 mil milhões 859 milhões de Kwanzas para mitigar os efeitos da seca que se agrava, desde Janeiro deste ano, e afecta 28 mil 867 famílias, 301 das quais com desnutrição.

 

O fenómeno da estiagem na região é apontado como a causa da morte de dez mil 982 cabeças de gados, das cerca de um milhão e 206 mil afectadas, e a destruição de 52 mil 119 campos agrícolas nas referidas províncias.

Campanha de solidariedade

O relatório dá ênfase a campanha de solidariedade nacional levada a cabo pelos governos provinciais, sociedade civil e igrejas, que superou as expectativas, angariando cerca de 300 toneladas de bens diversos.

 

Realça, também, o empenho das organizações internacionais como o Banco Mundial, Fundo das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), e o Fundo das Nações Unidas para a Infãncia (UNICEF) na disponibilização de meios financeiros e apoios logísticos.

 

A comissão considerou prioritárias as acções de recuperação das vias de acesso às localidades mais afectadas pela seca nas províncias do Cuando Cubango e Cunene,

 

Recomenda a produção de alimentos nas estações zootécnicas existentes nas províncias afectadas, designadamente Cacanda e Caracul (Namibe), Humpata e Quilengues (Huíla) e Cafu (Cunene).

 

Um amplo plano de formação e consciencialização sobre boas práticas, educação ambiental e noções básicas de saúde nutricional, com recurso a alimentos naturais e produzidos localmente, bem como a implementação da política nacional dos agentes de desenvolvimento comunitário, constam ainda das recomendações.

Projectos estruturantes de barragens

O porta-voz do encontro, o ministro da Administração do Território e Reforma do Estado, Adão Almeida, anunciou que o Estado deverá lançar ainda, este mês, os projectos estruturantes de barragens para captação de água do rio Cunene até a cidade de Ondjiva, capital da província.

 

A par do programa de emergência, disse, esta medida visa resolver o problema do abastecimento de água a médio e longo prazos, na região do Cunene.

 

Destacou, igualmente, que o Estado tem prestado assistência medicamentosa às populações das localidades afectadas pela seca, bem como apoio na compra de algumas cabeças de gado, para evitar a sua venda ao desbarato, e distribuição de pasto para mitigar os efeitos da seca.

 

Adão de Almeida garantiu a implementação de um programa de recuperação escolar para evitar que as crianças - de famílias obrigadas a se deslocar para outras zonas de residências- fiquem prejudicadas.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: