Lisboa – Dirigentes da UNITA mostram-se favoráveis a um perdão ao Jornalista Carlos Alberto, que durante a campanha eleitoral do XIII congresso notabilizou-se nas redes sociais pela  condução de uma campanha que visou denigrir a imagem do seu Presidente eleito,   Adalberto da Costa Júnior.

Fonte: Club-k.net

Fonte partidária  diz  que não  vão colocar  ninguém no desemprego

Carlos Alberto é conselheiro da Entidade reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA) indicado pela UNITA mas  que depois incompatibilizou-se com membros do maior partido da oposição enveredando por uma conduta  hostil.   No último congresso, mesmo sem ser militante declarou apoio ao candidato José Pedro Catchiungo. Ao mesmo tempo fez promessas públicas de que se Adalberto Costa Júnior fosse eleito Presidente da UNITA ele  abandonaria  o seu cargo na ERCA e deixaria de fazer jornalismo. Depois de se consumar a vitoria de Costa Júnior,  parabenizou o novo líder mantendo de pé a sua promessa mas por outro lado deu sinais de recuo quanto a promessa de deixar de fazer jornalismo.


De acordo com registros, Carlos Alberto foi indicado pela UNITA depois de ter sido expulso da radio LAC. Ao longo do tempo adotou uma postura de ataques contra o ex-Presidente Isaías Samakuva levando com que a direção da UNITA requisitasse,  a sua saída da ERCA,  mas sem sucesso.


Para o actual momento, alguns dirigentes da UNITA da linha de Chipindo Bonga defendem internamente serem favoráveis a um perdão ao jornalista baseando-se no argumento de que não é agenda do partido lançar um cidadão ao desemprego. “O assunto de retirar o senhor em causa  da ERCA não faz parte da agenda do partido, nem do seu presidente, olhamos mais para o lado humanitário, uma vez que ele tem família para sustentar e nesta altura de crise financeira, no país,  não é elegante promovermos uma ação para manter um cidadão no desemprego, por isso mesmo optamos, antes  por um perdão”, disse uma fonte partidária. 


Sem mencionar o tema em causa, o general Paulo Lukamba, através das redes sociais esclareceu que “A UNITA protagonizou um acto grandioso que a coloca muito alto. Não nos distraiamos agora com coisas pequenas”.

 

Tchizé dos Santos elogia postura  da UNITA


A nível da classe politica fora da UNITA, duas vozes sonantes, David Mendes e Tchizé dos Santos também se pronunciaram com um discurso favorável a um perdão a Carlos Alberto.


No ponto de vista de Tchizé dos Santos, um perdão a Carlos Alberto por parte da UNITA, mostrará que o maior partido da oposição é diferente ao seu MPLA.


“O caso ERCA vs jornalista Carlos Alberto será a prova de fogo para a capacidade de não perseguir cidadãos por motivações pessoais de Adalberto da Costa Júnior. Pela sua postura e decisão sobre o destino de Carlos Alberto, os militantes do MPLA poderão ter uma mostra do que aconteceria com quem, por motivos políticos ou mesmo pessoais, atacou Adalberto da Costa Júnior, caso a UNITA ganhasse as eleições”, defendeu Tchizé dos Santos nas redes sociais.

 

David Mendes diz que saída de Carlos Alberto não é assunto  do novo líder 

 

Através das redes sociais o deputado independente pela UNITA, David Mendes que durante a campanha eleitoral ao congresso não escondeu que era desfavorável a uma eleição de Adalberto da Costa Júnior por causa da renunciada nacionalidade portuguesa. Por outro lado pronunciou-se, neste final de semana, contra a saída de Carlos Alberto da ERCA, numa breve nota que o Club-K reproduz.


“Terminou a campanha eleitoral, agora devemos nos unir ao novo líder o presidente Adalberto da Costa Júnior rumo a vitoria. Por isso, da mesma forma que disse que não sou hipócrita em relação à eleição do Presidente da UNITA Adalberto Costa Júnior e tendo tomado conhecimento em relação à renúncia do cargo de Conselheiro da ERCA por parte de Carlos Alberto, eu, enquanto deputado e membro do grupo parlamentar da UNITA, não concordo que o faça, tendo em conta os motivos por ele avançados, pois a nação deve estar acima de interesses pessoais. E o Carlos Alberto durante este período tem sido uma figura de destaque nessa organização de regulação e supervisão dos conteúdos divulgados pelos órgãos de comunicação social. Portanto, tal como eu, acredito que os demais confrades do grupo parlamentar da UNITA fazem votos de que ele não saia da ERCA, porque foi escolhido, com o mesmo espírito que me escolheram, como independente, no quadro do Governo Inclusivo e Participativo defendido pela UNITA. E não acredito que a UNITA pense agora o contrário. E isso não é um assunto novo no nosso grupo parlamentar, porque o novo Presidente da UNITA sabe qual é o meu posicionamento sobre a permanência ou não de Carlos Alberto na ERCA e acredito que tal como ele defendeu a sua permanência continua com a mesma visão."

Para além do perdão que conta ter da UNITA,  uma corrente nas redes sociais, ligada a sociedade civil tem estado a pedir que Carlos Alberto cumpra a sua promessa de sair da ERCA. No Perfil de Joana Clementina há comentários neste sentido enquanto que o ativista José Chicaia o desafia a cumprir não só com as suas palavras mas como responder outras questões que lhe foram sendo colocadas. “Desafio o meu kota Carlos Alberto, o grande jornalista de investigação a responder essa pergunta: Porquê que Carlos Alberto, não responde que questão que lhe foi colocada lá no grupo do Jornalistas sobre onde trabalhou quando frequentou o primeiro ano do curso não acabado de Economia. Aguardo pela resposta meu Kota do coração”.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: